sábado, 21 de janeiro de 2012

Ejaculação precoce... Que mal seria esse?

                                                                                                                        Por Abilio Machado

                Hoje se encontra à disposição medicamentos e tratamentos dos mais variáveis para tentar dar auxílio a quem tem essa disfunsão sexual, são injetáveis ou drágeas.
                Desde o começo do estudo antropológico se definia uma liberalidade à sexualidade masculina, e a grande importância que sua capacidade de ereção produzisse uma relação normal, de nada se falava sobre a precocidade, já que não tinha nenhum significado, a importância era realmente dado apenas ao estado intumescido e que oferecesse a ele, homem, o prazer, e à mulher nem mesmo era dado o orgasmo, que fora ensinada a ser apenas mulher e reprodutora.
                Para ele só causava embaraço se tal rapidez o impedisse a penetração e com isso a fertilização, com a chegada do tal controle contraceptivo, as mulheres ganharam alguns passos ao tão sonhado orgasmo, começaram a exigir mais qualidade, mais prazer, mais  momentos de resposta sexual, e foi aí que veio a despertar o problema daqueles que não conseguiam manter-se em guarda por mais que o mínimo de sempre...

                 A busca do orgasmo perfeito traz a discussão o imperfeito, esse descontrole que mina toda a harmonia sexual que requer uma certa habilidade para manter a convivência, pois há de se valorizar a adequação, o relacionamento como o todo do que um ato rapidíssimo e falso desempenho causada muitas vezes não pelo fator físico mas pela emoção, ‘todo o homem é construído por suas emoções segundo palavras de meu prof. Juliano Amuí.
                Essa emoção vem carregada de repertório sobre seu ato sexual sempre rápido, no que é mal feito quando pequeno, na masturbação para se ejacular, nas tensões do dia no trabalho e nas responsabilidades, no medo de ter medo em falhar, nas repressões de quando se é menininho:
__Tira essa mão daí...
__Isso é feio...
__Que coisa pequenininha...
                Mas também pode ter sua patologia, doenças que afetem as vias nervosas e na irrigação dos centros cavernosos podem vir a admoestar o ato eretivo e o ato ejaculatório, diabetes, alcoolismo e outras drogas...
                A maior inimiga e praticamente a rainha má desta história é a ansiedade, fazendo o homem bailar entre ser o protagonista e o assistente no seu diálogo com a parceira ou parceiro deste espetáculo que visa agradar, satisfazer, realizar a troca dos fluídos mágicos do relacionamento.

                Em geral é levado assim meio que empurrando com a barriga, sempre sob um pretexto ou desculpa até que a esposa, ou amante, venha a cobrar a sua parte daquele momento, aquela cara de ‘e eu como é que fico?’ E vai emergir algumas conseqüências como o desgaste do matrimônio, fuga dos momentos íntimos, e o surgimento da disfunção em si, sexual. Pois no início até se é tolerante colocado sob alguns aspectos, como a inexperiência, o nervosismo, o afoitismo, muita sede ao pote. Mas logo, vem o sentimento de rejeição, do uso, das acusações, e outros melindres que podem também fazer aparecer as agressões e até a traição.
                 A terapia sexual é promissora, auxilia a combater a ansiedade com controles pessoais e ao ambiente, aumentar a auto-estima faz parte do currículo através de exercícios que modelem o comportamento levando o homem a procurar em si as respostas, identificando cada sinal que provoca a ejaculação e através destes exercícios ensiná-lo a encontrar modos de adiar o processo.
                Outros casos, porém são através de medicamentos injetáveis, intrapenianos, que acabam por causar mais dependência ao medicamento e menos confiança em si e no pênis.

                A psicodinâmica emprega grande auxílio ao esclarecimento de causas possíveis e é a que mais resultados positivos tem alcançado, baseado em exercícios a sós e entre o casal com o único objetivo de identificar e reconhecer os padrões que antecedem a ejaculação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário