domingo, 22 de janeiro de 2012

Encontro

 Olhei você,
Meus olhos marejaram.
Enxerguei nossa vida...
Há quanto tempo se foram?!

Olhei você, e não entendi
De onde surgiu,
De onde veio
Apareceu...

Aprendi que teus olhos enganam
Que a vida ao teu lado pode ser doída,
Que nada adianta te amar
Que quando vai comprar a passagem é só de ida.

Falei a você do meu amor?!
E você me disse num sussurro,
Que de nada valia
Que o que queria já teve
Meu corpo em tuas mãos...

Falei a você em palavras
Em doação de beijos, abraços
E as tuas foram descabidas
Sem nexo, gritadas
Malditas.

Tentei te compreender
E notei que apenas passei em tua vida
Nunca fui alguém importante
Fui um objeto
Um alguém para você f...

Como posso explicar para mim
Que de ti também precisei
Nas horas sozinho
Esperando, ansiando
Você em meu ninho?!

Minha vida como tempestade
Devastada pelo furacão
Eu te falava, falava
E você me maltratava
Em suas mãos entregue
Era eu pior que um cão.

É, o que precisa ser descoberto
É o desnecessário para ser feliz
E me deixará nos limites do céu
Será que dia destes você volta
Adoçado como o mel?!

Nenhum comentário:

Postar um comentário