sábado, 28 de janeiro de 2012

Terapia centrada na Pessoa – Carl Rogers


Rogers é considerado um representante da corrente humanista, não diretiva, em educação. Rogers concebe o ser humano como fundamentalmente bom e curioso, que, porém, precisa de ajuda para poder evoluir. Eis a razão da necessidade de técnicas de intervenção facilitadoras.
Após Rogers ter abandonado uma orientação diretiva e interpretativa de escuta dos seus clientes, optando por uma escuta mais centrada na expressão dos sentimentos do cliente, ele concluiu (através de extensa pesquisa empírica documentada ) que para se ter eficácia na relação terapêutica, para que a terapia tenha êxito, é necessário que estejam presentes seis condições, que para Rogers, são fundamentais:
Primeira Condição - O Psicólogo parta do princípio que o cliente é basicamente responsável por si próprio, e desejar que o cliente mantenha essa responsabilidade.
Segunda Condição – O psicólogo agir sob o princípio de que o cliente tem uma forte tendência a tornar-se maduro, socialmente ajustado, independente, produtivo e confiar nessa força e não em seus próprios poderes, para realizar mudanças terapêuticas.
Terceira Condição – O Psicólogo criar uma atmosfera calorosa e permissiva, na qual o cliente esteja livre para trazer qualquer atitude ou sentimento que possa ter, não importando quão absurdo, não convencionais ou contraditórios sejam. O cliente é tão livre para resguardar sua expressão quanto para expressar seus sentimentos.
Quarta Condição – Os limites estabelecidos forem simplesmente limites quanto ao comportamento e não limites quanto às atitudes. (pode não ser permitido à criança quebrar a janela, mas ela é livre para sentir vontade de quebrar a janela e esse sentimento é plenamente aceito).
Quinta Condição – O terapeuta usar na terapia somente aqueles procedimentos e técnicas que transmitam seu profundo entendimento das atitudes expressas, carregadas de emoção, e sua aceitação delas. A aceitação do psicólogo não envolve aprovação, tão pouco desaprovação. Sexta Condição – O Psicólogo abster de qualquer expressão ou ação que seja contrária aos princípios anteriores. Isto significa evitar perguntar, sondar, culpar, interpretar, aconselhar, sugerir, persuadir, reassegurar. Para Rogers, se estas condições estiverem presentes, na grande maioria dos casos, haverá êxito na Psicoterapia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário