quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

LGV-linfogranuloma venéreo


O linfogranuloma venéreo (LGV) é uma doença sexualmente transmissível. Caracteriza-se pelo aparecimento de uma lesão genital (lesão primária) provocada por Chlamydia trachomatis, que tem curta duração e que se apresenta como uma ulceração (ferida) ou como uma pápula (elevação da pele).
Esta lesão é passageira (3 a 5 dias) e frequentemente não é identificada pelos pacientes, especialmente do sexo feminino.
Após a cura desta lesão primária, em geral depois de duas a seis semanas, surge o bubão inguinal que é uma inchação dolorosa dos gânglios de uma das virilhas (70% das vezes é de um lado só). Se este bubão não for tratado adequadamente ele evolui para o rompimento espontâneo e formação de fístulas que drenam secreção purulenta.
 
Recentemente, um surto de LGV tem atingido homossexuais masculinos e bissexuais, especialmente os HIV-positivo (portadores de AIDS ou SIDA). Outros nomes pelos quais é conhecida esta patologia: Doença de Nicolas-Favre; Linfogranuloma Inguinal; Mula; Bubão; LGV - Complicações/Consequências: Elefantíase do pênis, escroto, vulva; Proctite (inflamação do reto) crônica; Estreitamento do reto...
A transmissão mais frequente dá-se através da relação sexual. O reto de pessoas cronicamente infectadas é reservatório de infecção.
O período de incubação é de 7 a 60 dias. O tratamento é sistêmico, através de antibióticos, aspiração do bubão inguinal e tratamento das fístulas.A prevenção é feita através do uso do preservativo e da higienização após o coito.
 
A Chlamydia trachomatis é uma bactéria gram negativa de transmissão sexual, causadora da clamidíase.
Esta bactéria vive obrigatoriamente dentro da célula do hospedeiro por ser incapaz de sintetizar ATP. A infecção com Chlamydia trachomatis origina normalmente uma uretrite não gonocócica, mas pode ocasionar a orquiepididimite aguda no homem e a doença inflamatória pélvica na mulher, com quadro parecido ao de uma apendicite. Pode estar ou não associada com a gonorréia.
No homem, apresenta como principal sintoma uma secreção uretral em pequena quantidade, transparente e fluida, com uma sensação de ardência miccional. Tem um período de incubação de 1-2 semanas ou mais, podendo ser assintomática e persistir durante vários anos. É causa de aborto, sendo por isso importante que a mulher com vida sexual ativa faça exames rotineiramente.
Essa bactéria também é responsável pelo tracoma, uma doença infecciosa que causa inflamação e cicatrização da conjuntiva, tecido que reveste a parte interna da pálpebra. Após vários anos de infecção, as cicatrizes podem levar a uma retração da pálpebra, fazendo com que os cílios passem a roçar na córnea, danificando-a.
 
A córnea torna-se opaca, levando à cegueira. O tracoma é uma doença muito comum, particularmente em países em desenvolvimento.
Há pelo menos 150 milhões de pessoas com a doença ativa no mundo, das quais 6 milhões tornaram-se cegas devido à doença.
O tracoma é a segunda causa de cegueira no mundo, depois da catarata.


Nenhum comentário:

Postar um comentário