sábado, 18 de fevereiro de 2012

QUANDO O VIAGRA FALHA


Quando o paciente com disfunção erétil não consegue ter e manter uma ereção rígida suficiente para ter penetração e manutenção do coito mesmo com ajuda dos comprimidos, ele deve procurar alternativas para solucionar o problema. Uma vez descartado a possibilidade de erro na tomada do remédio ou no ajuste da dose fazemos um passo a diante.

Pesquisar a dosagem de testosterona é fundamental, pois podemos recuperar a ereção com reposição, caso o paciente esteja com nível abaixo do normal. A testosterona é responsável pela manutenção da libido (desejo sexual), mas também tem receptores dentro do pênis com possível efeito vasodilatador agindo diretamente na ereção.

A psicoterapia tem seu papel muito estabelecido com eficácia comprovada. Apesar do paciente às vezes ter resistência quanto ao possível tratamento psicológico, não devemos descartar este trunfo. A terapia comportamental é uma ótima ferramenta para ajudar os pacientes com resultados esperados num prazo de 12 a 16 sessões.

Quando a 1ª linha de tratamento é esgotada (comprimidos e psicoterapia) passamos para 2ª linha de tratamento (injeção, gel uretral, vacuoterapia). Para muitos pacientes a possibilidade de ter ereção somente através de injeções no corpo cavernoso do pênis causa muito receio. Quando o medico não consegue convence-lo do beneficio das injeções ou quando o paciente prefere alternativas, nesta situação apresentamos o tratamento com gel intra-uretral e a vacuoterapia (bomba de vácuo).

A vacuoterapia é muito difundida nos EUA, pois neste país as seguradoras de saúde dão cobertura às bombas de vácuo. O mecanismo consiste em promover uma pressão negativa sobre o pênis facilitando a entrada de sangue e em seguida quando obtida a ereção um anel elástico é colocado na base do pênis para que não ocorra a fuga venosa. No Brasil este método é pouco empregado e muitas vezes acaba tendo uma conotação de dispositivo erótico vendido em sex-shop.

O gel intra-uretral não é comercializado no Brasil. Podemos importa-lo dos EUA, se chama MUSE. Contem 125 mcg, 250 mcg, 500 mcg, ou 1000 mcg de Alprostadil, uma prostaglandina E1 que tem ação vasodilatadora. O medicamente é colocado com ajuda de um aplicador dentro da uretra. Existem relatos de irritação uretral com o Muse, mas sua eficácia é garantida com ereções após 5 a 10 minutos da aplicação. Também pode ser manipulado em farmácias no Brasil.

A injeção intracavernosa é muito eficaz e deve ser oferecida ao paciente sempre que a terapia de 1ª linha falha. É uma ótima alternativa antes de pensarmos em colocar a prótese peniana que consideramos como a 3ª linha de tratamento para disfunção erétil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário