terça-feira, 7 de agosto de 2012

Duplicidades do aparelho urinário



a) Duplicidade dos ureteres
A duplicidade dos ureteres é relativamente frequente. Pode existir só de um lado ou existir dos dois lados. Pode até acontecer que haja de um dos lados, três ureteres.
Em 20% dos casos de duplicação ureteral não existe qualquer problema, os rins funcionam normalmente e os portadores fazem uma vida perfeitamente normal e sem qualquer preocupação por terem essa malformação.
Nos 80 % dos casos em que existem problemas, estes podem ser de resolução relativamente simples ou exigir soluções cirúrgicas complexas. Ver as seções referentes a enurese, infecçãourinária, refluxo vesico-ureteral e obstruções urinárias (ectopia ureteral, refluxo, obstrução, ureterocelo).

Urografia de eliminação em que se observa uma duplicidade ureteral bilateral.
   
Urografia de eliminação em que se observam um ureter à direita e três ureteres à esquerda.
   

Urografia de eliminação em que se observam um ureter à direita e três ureteres à esquerda. Esquema demonstrativo. Função renal normal, sem qualquer problema.
   
Caso extremo de complicação: Duplicidade ureteral com obstrução em um dos ureteres e refluxo no outro, o que levou à destruição funcional do rim por infecções de repetição, antes de qualquer terapêutica cirúrgica.
   

b) Duplicidade da uretra masculina É uma situação muito mais frequente no sexo masculino. No sexo feminino está quase sempre associada a outras malformações urológicas e genitais (ver duplicidade da uretra feminina).
No desenvolvimento embrionário deu-se um erro e surgiu    uma uretra acessória. No sexo masculino, na grande maioria dos casos a uretra acessória é relativamente curta e não comunica com a bexiga nem com a uretra normal. Em raros casos a uretra acessória pode ser completa e comunicar com a bexiga.

Algumas das variantes de uretra acessória, no sexo masculino
   
Exemplo de duplicidade da uretra (variante A) (a mais frequente)
   

Algumas das variantes de uretra acessória, no sexo masculino.
A variante A é de longe a mais frequente e requer uma cirurgia simples, em regime ambulatório.
As variantes B, C da uretra acessória e a duplicidade completa da uretra, esta última não representada nas imagens e muito rara, exigem cirurgias mais complexas.
c) Duplicidade da uretra feminina É uma situação muito rara, que pode estar associada a duplicação do útero, da uretra, da bexiga e ainda a outras malformações. O tratamento cirúrgico é sempre complexo e depende das malformações associadas. O prognóstico, do ponto de vista urológico de um modo geral, é bom; do ponto de vista obstétrico é mais reservado. Podem ser necessárias reimplantações ureterais (ver seção sobre refluxo vesico-ureteral), cistoplastias (ver seção sobre bexiga neurogénica), uretroplastias, vaginoplastias.

No caso exemplificado nesta fotografia observam-se duas vaginas e uma de duas uretras.
   
Radiografia que mostra as duas bexigas da mesma menina
   

Radiografia que mostra as duas vaginas
   

Nenhum comentário:

Postar um comentário