sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Ejaculações, quais são os tipos

EJACULAÇÃO PRECOCE
A ejaculação precoce é um distúrbio de fundo psicológico muito freqüente nos homens e provavelmente o distúrbio de fundo psicológico mais comum. A definição desse distúrbio feita pela Organização Mundial de Saúde não quantifica o tempo como critério deixando o conceito de “precoce” um tanto quanto subjetivo.
A duração da fase de excitação leva em consideração fatores como idade, freqüência da atividade sexual recente, ansiedade com nova parceira ou situação sexual diferente do comum.
A ejaculação precoce ocorre de forma persistente com uma mínima estimulação sexual e antes, durante ou logo após haver ocorrido a penetração. É comprovado que as mulheres demoram um pouco mais a atingir o orgasmo e, se o homem chegar ao orgasmo muito antes da parceira, naturalmente ele perderá a ereção e não conseguirá fazer a companheira chegar ao clímax.  A ocorrência da ejaculação precoce é mais comum na penetração vaginal do que no sexo oral ou anal e raramente observada durante a masturbação.
Há vários tipos de medicamentos para o controle da hipersensibilidade peniana. Para isso é necessário saber se a mesma é de origem primária (desde os primeiros relacionamentos sexuais) ou secundária (iniciada após um bom período de atividade sexual) o que altera completamente o tratamento.
O tratamento pode ser feito com terapêutica medicamentosa, medicamentos tópicos, drogas que auxiliem a ereção (somente nos casos em que se associam distúrbios de ereção), terapia sexual ou terapia psicológica.
Quando esse distúrbio ocorre desde os primeiros relacionamentos sexuais, chama-se de causa primária, e, quando ocorre somente após algum tempo da vida sexual, secundária.
Os tratamentos cirúrgicos, como a neurotripsia, auto-aplicações com medicamentos para dar ereção e o implante de próteses penianas são atualmente contra-indicados como tratamentos de ejaculação precoce (I Consenso Brasileiro de Disfunção Erétil, 1998).
O uso de medicamentos via oral para disfunção erétil ou de drogas vasoativas intracavernosas não são recomendados em pacientes com ejaculação precoce exclusiva.

EJACULAÇÃO RETARDADA
Ejaculação retardada é menos comum no homem que a Ejaculação Precoce. A prevalência de se adquirir a ejaculação retardada em homens abaixo de 65 anos é de 3 a 4 %. A ejaculação retardada pode ocorrer durante toda a vida do homem ou aparecer em determinada época.  Pode ocorrer durante todas relações sexuais com varias parceiras ou pode ser intermitente em ocasiões especiais.   Alguns homens com ejaculação retardada podem se masturbar para ter o orgasmo mas muitos não conseguem orgasmo nem dessa forma. 
Como todos os casos de disfunção sexual, homens com ejaculação retardada podem reportar altos níveis de stress pessoal, desinteresse sexual e ansiedade na performance sexual.
Muitos homens com ejaculação retardada entretanto, têm a característica de não ter dificuldade em manter suas ereções normalmente. 
São conhecidas algumas causas que levam à ejaculação retardada
  • Psicogênicas
  • Congênitas
  • Causas anatômicas
  • Causas neurogênicas
  • Infecções
  • Problemas endócrinos
  • Efeitos colaterais de medicamentos
EJACULAÇÃO RETRÓGRADA
A Ejaculação Retrógrada pode ter diversas origens:
          • Causas Anatômicas – Fatores congênitos ou adquiridos
          • Fatores Neurológicos – lesões de medula, esclerose múltipla, neuropatias conseqüentes de diabetes etc...
          • Causas Farmacológicas – Efeito colateral de alguns medicamentos

Esse tipo de distúrbio de ereção pode ser confirmado pelo histórico de algum procedimento cirúrgico bem como por comprovação de esperma em simples exame de urina feito após a ejaculação. 

Conforme a origem do problema pode ser indicado um tratamento farmoterápico, ou cirúrgico.
Ref: Standard Practice in Sexual Medicine – Hartmut Porst and Jacques Buvat


AUSÊNCIA DO EJACULADO
Falta de ejaculação pode ocorrer devido a anormalidades na produção ou estocagem do esperma, ou a condições que afetem o processo de expulsão. Causas psicológicas são comuns, mas, se um homem nunca ejaculou, deve-se suspeitar de uma causa orgânica.
Anomalias congênitas como ausência de vesículas seminais ou glândula prostática, podem ser responsáveis, apesar disto ser muito raro.
Há casos em que essa ausência provém de efeitos colaterais de cirurgias (tais como cirurgia para câncer) com dano ao tronco simpático. Prostatectomia radical quase sempre resulta em perda da ejaculação, apesar das secreções das glândulas para-uretrais poderem provocar pequenas emissões. As sensações orgásmicas são normais, porém não há expulsão do sêmen.

AUSÊNCIA DE ORGASMOS - ANORGASMIA
A anorgasmia é relativamente rara. Caso seja primária, quase que certamente é psicogênica, mas anorgasmia secundária pode ocorrer em pacientes com lesão da medula espinhal ou outras doenças neurológicas.


FUGA VENOSA
Fuga Venosa
É uma falha na retenção do sangue dentro dos corpos cavernosos. Quando o pênis enche, a pressão dentro dele aumenta, e as vênulas se abrem, permitindo o escape do sangue. Isso é chamado na medicina de incompetência venoclusiva dos corpos cavernosos, ou seja, fuga venosa, levando a uma perda de tonicidade e impossibilidade do ato sexual.
A cirurgia para correção de fuga venosa foi muito adotada até algum tempo atrás. Hoje em dia sabe-se que a cirurgia de fuga-venosa pode ter recidiva, portanto, com os modernos medicamentos que dispomos a indicação e o tratamento cirúrgico para a fuga-venosa caiu muito e acabou sendo abandonada no Brasil  conforme  I Consenso Brasileiro de Disfunção Sexual – SBU 1998 .

Nenhum comentário:

Postar um comentário