sábado, 20 de abril de 2013

Sete Gays que Marcaram a História.




Nem só por héteros foi escrita a História. Ao longo dos séculos, muitos heróis – e vilões – que mudaram os rumos da civilização foram gays. Alguns foram aceitos por seu tempo. Outros não tiveram a mesma sorte. Isso sem falar naqueles cuja orientação sexual nunca ficou clara.

Em algumas civilizações antigas, nem era preciso sair do armário – a homossexualidade era natural e fazia parte da sociedade. A condenação dos gays veio com a ascensão das religiões monoteístas. Em 533, o imperador cristão Justiniano assinou a primeira lei que proibia as práticas homossexuais. A pena pelo "crime" podia ser a morte. Nos séculos seguintes, a história da comunidade gay foi marcada por condenações, perseguições e assassinatos. Mas também por grandes feitos na política, na ciência e nas artes. Relembre 6 gays que, para o bem ou para o mal, mudaram a história.

1. Sócrates (470 a.C. – 399 a.C.).

Sócrates, um dos principais filósofos ocidentais, viveu na Grécia Antiga, onde era normal um homem mais velho manter relações sexuais com homens jovens. O tutor de Platão chegou a declarar que o sexo anal era sua melhor fonte de inspiração e que relações heterossexuais serviam apenas para procriação. Detalhe: Sócrates defendia a investigação e o diálogo para se chegar à verdade, método que deu origem à famosa DR que assombra casais. Será que, em algum momento, ele precisou ter uma DR porque sua "fonte de inspiração" havia secado?!

2. Alexandre, o Grande (356 a.C. – 323 a.C.).

A orientação sexual do guerreiro macedônio é assunto que já rendeu polêmicos estudos acadêmicos, livros e até filmes hollywoodianos. O historiador Plutarco conta que Alexandre se casou quatro vezes (com mulheres). No entanto, alguns historiadores, como Diodoro Sículo, afirmam que o guerreiro teria tido pelo menos um amante-homem, Heféstion. Aliás, quando Heféstion morreu, Alexandre teria ficado sem comer e beber por vários dias.

3. Leonardo da Vinci (1452 – 1519).

A versatilidade e o talento de Leonardo da Vinci nunca surtiu dúvidas: ele foi cientista, engenheiro, anatomista, botânico, inventor. E pintor, claro. Com base em registros históricos e em escritos pessoais, biógrafos de Da Vinci deduzem que o gênio teria sido homossexual. Leonardo passou, inclusive, por um tribunal após ser acusado de sodomia com um homem prostituto. A acusação não foi adiante, mas os boatos a respeito da sexualidade de Da Vinci permanecem até hoje.

4. Ernest Röhm (1887 – 1934).

Homossexual assumido, Röhm foi um dos braços-direito de Adolf Hitler e um dos responsáveis pelo crescimento do movimento nazista na Alemanha dos anos 1920-1930. Devido à sua orientação sexual, o oficial tinha muitos inimigos dentro do partido. O resultado da sua união com Hitler não poderia ser diferente. Quando o fürher percebeu que Ernest poderia lhe causar sérios problemas (tipo uma contradição histórica inexplicável), decidiu tirá-lo do seu caminho. Fez o mesmo que fazia com muitos dos homossexuais da época: matou.

5. Harvey Milk (1930 – 1978).

Harvey Milk, representante distrital de São Francisco, foi o primeiro gay assumido a vencer uma eleição nos Estados Unidos. Em uma sociedade conservadora da década de 1970, ele discursava em favor da liberdade e tentava dar esperança aos gays. Seu ativismo foi importante na luta gay: 11 meses após ser eleito, Milk conseguiu aprovar uma lei sobre os direitos dos homossexuais de São Francisco. Personalidade polêmica e visada por conservadores, o militante foi assassinado um anos após ser eleito. Para conferir a história do político, vale conferir "Milk – A Voz da Igualdade", de Gus Van Sant.

Milk - A Voz da Igualdade: http://youtu.be/kOCx5Bht9io

6. Alan Turing (1912 – 1954).

Assim que este post foi publicado, vários leitores da SUPER repararam que havíamos deixado de fora um nome importante. Era Alan Turing, matemático e cientista da computação. Turing foi um dos responsáveis pela formalização do conceito de algoritmo, base da teoria da computação. Também criou a Máquina de Turing, tecnologia que deu origem ao computador moderno. Durante os anos 1940, ajudou a projetar o supercomputador Colossus, que desvendava códigos secretos dos nazistas. Apesar de suas grandes façanhas, respondeu um processo criminal em 1952. O crime? Homossexualidade. A pena? Tomar hormônio sexual feminino, condenação que teria prejudicado sua saúde e, dois anos depois, provocado sua morte.

 Tim Cook (1960 – ).

Cook pode não ter mudado ainda os rumos da civilização, mas poder para isso não falta. Tim Cook, que seria homossexual assumido e já foi apontado pela imprensa americana como o gay mais poderoso do mundo, é o presidente da Apple e sucessor do mítico Steve Jobs. Por que o cara é poderoso? Sua responsabilidade é nada menos que comandar a fabricante de computadores, tablets e smartphones no lugar do fundador da companhia. Cook entrou na Apple em 1998 para supervisionar a produção de computadores. Chamou a atenção de Jobs e foi se transformando em seu braço-direito. Mais de uma década depois, foi indicado pelo próprio Steve Jobs como o próximo CEO. Diante de seu currículo e posto, alguém duvida de seu potencial para mudar a História?

Tradução:migre.me

Fonte: Born to Be Gay – História da Homossexualidade, William Naphy, Edições 70, 2006.

Postado por Douglas Rodrigues.

Todos os quatro Lasse Nielsen Filmes

 O filme transpira inocência e felicidade, como a imagem deste vídeo. Parece que revivi minha infância...na Ilha.

quinta-feira, 18 de abril de 2013

Manual da masturbação



Vamos Pensar?




Joelmas e Danielas, Genoínos e Felicianos, Jeans e Bolsonaros...

Eu realmente queria que as pessoas pensassem onde vamos parar com o rumo que a mídia, o governo e (me permitam: como massa de manobra) a sociedade têm refletido sobre o movimento gay e suas últimas ações.

Todas as pessoas precisam ser respeitadas dentro dos limites e direitos que lhes são assegurados na nossa Carta Magna, entretanto os direitos à liberdade (religiosa e de expressão) tem sido cerceados para todas as pessoas que não apoiam integralmente o homossexualismo. 

Contraditoriamente, a recíproca não é verdadeira. Veja o exemplo de duas cantoras famosas que vieram à mídia nos últimos dias. Daniela Mercury se declarou homossexual e em união homoafetiva com uma jornalista e publicou fotos lésbicas que foram bem aceitas e até festejadas; por outro lado, uma mera declaração de Joelma (do Calypso) contrária em sua opinião ao casamento homossexual com base em sua fé, foi motivo de retaliações e até atos de violência.

Marcos Feliciano - por quem não nutro nenhuma admiração teológica - tem sido a bola da vez da mídia; e quando vai pregar a sua fé em igrejas pelo Brasil, ativistas gays entram em locais reservados e protegidos pela Constituição para realizarem seus beijaços, e quem é visto como intolerante e radical não são os que usam a violência e a truculência para impor a sua ditadura! Enquanto isso, 'fichas sujas' como José Genoíno presidem sem qualquer foco ou pressão outras comissões importantes... e assim caminha o nosso Congresso Nacional.

Declarações contra o homossexualismo como as de Jair Bolsonaro são imediatamente vistas como loucas e radicais, enquanto figuras como Jean Wylliams podem até desfazer da fé alheia e atacar quem crê na Bíblia de forma ríspida e deseducada e intolerante que nenhuma frase na mídia é dita contra isso.

Os casos se multiplicam, os problemas se agigantam, e eu chamo o povo brasileiro à uma reflexão honesta e sincera, sem fazer proselitismo religioso ou qualquer coisa dessa ordem.

Temos ou não liberdade de expressão? Podemos ou não aceitar um credo religioso que não incite qualquer tipo de rebelião contra a dignidade humana? Podemos ou não pensar diferente de outros?

... Ou sera que serei rechaçado também simplesmente por chamar o povo para pensar?

quarta-feira, 17 de abril de 2013

"5 Formas de Destruir a Sua Vida Sexual"



DICAS TERAPÊUTICAS

5 Formas de Destruir a Sua Vida Sexual

Melhore a sua vida sexual!

Cientistas confirmam que o chocolate contém enzimas que disparam os centros de prazer do cérebro, de forma idêntica ao sexo. … É por isso que quando está cansada para um, tem desejos do outro. “Hoje não, querido, prefiro algo..um Ferrero Rocher…”

Mas e se não está cansada? E se está apenas farta ou não está mais interessada numa vida sexual que não é o que imaginava? É possível inverter a situação, mas não basta deixar de  comprar chocolates no supermercado. Segue-se uma lista das 5 barreiras mais comuns para uma vida sexual saudável e como ultrapassá-las.

    Pensamentos negativos ou derrotistas sobre sexo

Estes pensamentos podem vir de qualquer lado: da infância, da religião, experiências sexuais do passado, etc. E podem de facto afectar a sua sexualidade. Alguns de nós cresceram a pensar que o sexo é sujo ou pecaminoso, enquanto outros aprenderam a ter vergonha do seu corpo. Se tem pensamentos negativos acerca do sexo, vai afectar o seu comportamento sexual, portanto faça desta questão um ponto a ultrapassar.

A verdade é que o sexo não é sujo. De facto os médicos concordam que é saudável. É bom para o sistema cardiovascular, alívio de stress e aumenta as defesas naturais. Sexo é também um bom exercício, queima tantas calorias como um jogo de ténis. Desenvolva com o seu parceiro atitudes mais saudáveis em relação ao sexo e largue os pensamentos negativos.

    Focar-se apenas na performance

Quando se está demasiado consciente da sua performance durante o sexo, (mexo-me da maneira certa? Os meus sons excitam-no?) está a colocar demasiada pressão sobre si mesmo, pressão essa que afecta negativamente a sua sexualidade e leva a falsas conclusões.

Lembre-se que o seu corpo não é perfeito, nem o de ninguém. Esperar perfeição na performance sexual conduz à frustração e desapontamento. Em vez disso, concentre-se no prazer do sexo, na intimidade com o parceiro e na alegria de agradar o outro.

    Não ser dono da sua sexualidade

A frase “conhece-te a ti próprio” aplica-se perfeitamente à sua sexualidade. Se não sabe o que a faz sentir bem e como atingir o orgasmo, como pode o parceiro saber? Não tenha medo de conhecer o seu corpo, reconheça o que lhe sabe bem e saiba quais os seus desejos sexuais. Não tem nada de vergonhoso este tipo de auto conhecimento.

Não hesite em partilhar os seus desejos com o seu parceiro e abstenha-se de o culpar por alguma questão sexual, especialmente antes de olhar verdadeiramente para si próprio. Apontar o dedo parece ser uma saída fácil, mas a verdade é que são precisos dois para dançar o tango.

    Não falar de sexo com o seu parceiro

Os terapeutas ficam abismados com a quantidade de pessoas que estão confortáveis a praticar sexo, até muito sexo, mas ficam desconfortáveis a falar de sexo. É como se houvesse uma regra: “faz mas não fales disso”.

Se está confortável numa relação sexual, deveria estar confortável para falar de sexo abertamente com o seu parceiro. Estabeleça o diálogo. Partilhe as coisas de que gosta, acentue o positivo e desvalorize o negativo. Faça o seu parceiro  sentir-se bem com o sexo que praticam e ele vai querer faze-la sentir-se bem, fazendo as coisas que lhe dão mais prazer.

    Não fazer do sexo uma prioridade

Infelizmente, em muitos casais, o sexo não é prioritário. Pior ainda, a relação em si não é sequer uma prioridade. Trabalho, família, obrigações e outros “tenho que” passam sempre à frente. No fim do dia caimos sem energia na cama. Resumindo, para onde dirige a atenção, vai a energia.

Se de facto quer uma vida sexual saudável na sua relação, então redireccione a sua atenção e enfoque . Faça da vida sexual uma prioridade. Pense nestas barreiras e trabalhe a forma de as ultrapassar. Seja honesto com o parceiro mas, acima de tudo, seja honesto consigo. Uma vez que deixa de ficar envergonhado com o sexo, vai encará-lo com mais naturalidade para si e para a pessoa que ama.

Adaptado de 5 ways to destroy your sex life  de YourTango .













DICAS TERAPÊUTICAS

5 Formas de Destruir a Sua Vida Sexual

Melhore a sua vida sexual!

Cientistas confirmam que o chocolate contém enzimas que disparam os centros de prazer do cérebro, de forma idêntica ao sexo. … É por isso que quando está cansada para um, tem desejos do outro. “Hoje não, querido, prefiro algo..um Ferrero Rocher…”

Mas e se não está cansada? E se está apenas farta ou não está mais interessada numa vida sexual que não é o que imaginava? É possível inverter a situação, mas não basta deixar de comprar chocolates no supermercado. Segue-se uma lista das 5 barreiras mais comuns para uma vida sexual saudável e como ultrapassá-las.

Pensamentos negativos ou derrotistas sobre sexo

Estes pensamentos podem vir de qualquer lado: da infância, da religião, experiências sexuais do passado, etc. E podem de facto afectar a sua sexualidade. Alguns de nós cresceram a pensar que o sexo é sujo ou pecaminoso, enquanto outros aprenderam a ter vergonha do seu corpo. Se tem pensamentos negativos acerca do sexo, vai afectar o seu comportamento sexual, portanto faça desta questão um ponto a ultrapassar.

A verdade é que o sexo não é sujo. De facto os médicos concordam que é saudável. É bom para o sistema cardiovascular, alívio de stress e aumenta as defesas naturais. Sexo é também um bom exercício, queima tantas calorias como um jogo de ténis. Desenvolva com o seu parceiro atitudes mais saudáveis em relação ao sexo e largue os pensamentos negativos.

Focar-se apenas na performance

Quando se está demasiado consciente da sua performance durante o sexo, (mexo-me da maneira certa? Os meus sons excitam-no?) está a colocar demasiada pressão sobre si mesmo, pressão essa que afecta negativamente a sua sexualidade e leva a falsas conclusões.

Lembre-se que o seu corpo não é perfeito, nem o de ninguém. Esperar perfeição na performance sexual conduz à frustração e desapontamento. Em vez disso, concentre-se no prazer do sexo, na intimidade com o parceiro e na alegria de agradar o outro.

Não ser dono da sua sexualidade

A frase “conhece-te a ti próprio” aplica-se perfeitamente à sua sexualidade. Se não sabe o que a faz sentir bem e como atingir o orgasmo, como pode o parceiro saber? Não tenha medo de conhecer o seu corpo, reconheça o que lhe sabe bem e saiba quais os seus desejos sexuais. Não tem nada de vergonhoso este tipo de auto conhecimento.

Não hesite em partilhar os seus desejos com o seu parceiro e abstenha-se de o culpar por alguma questão sexual, especialmente antes de olhar verdadeiramente para si próprio. Apontar o dedo parece ser uma saída fácil, mas a verdade é que são precisos dois para dançar o tango.

Não falar de sexo com o seu parceiro

Os terapeutas ficam abismados com a quantidade de pessoas que estão confortáveis a praticar sexo, até muito sexo, mas ficam desconfortáveis a falar de sexo. É como se houvesse uma regra: “faz mas não fales disso”.

Se está confortável numa relação sexual, deveria estar confortável para falar de sexo abertamente com o seu parceiro. Estabeleça o diálogo. Partilhe as coisas de que gosta, acentue o positivo e desvalorize o negativo. Faça o seu parceiro sentir-se bem com o sexo que praticam e ele vai querer faze-la sentir-se bem, fazendo as coisas que lhe dão mais prazer.

Não fazer do sexo uma prioridade

Infelizmente, em muitos casais, o sexo não é prioritário. Pior ainda, a relação em si não é sequer uma prioridade. Trabalho, família, obrigações e outros “tenho que” passam sempre à frente. No fim do dia caimos sem energia na cama. Resumindo, para onde dirige a atenção, vai a energia.

Se de facto quer uma vida sexual saudável na sua relação, então redireccione a sua atenção e enfoque . Faça da vida sexual uma prioridade. Pense nestas barreiras e trabalhe a forma de as ultrapassar. Seja honesto com o parceiro mas, acima de tudo, seja honesto consigo. Uma vez que deixa de ficar envergonhado com o sexo, vai encará-lo com mais naturalidade para si e para a pessoa que ama.

terça-feira, 16 de abril de 2013

Sexo anal é menos comum do que se pensa


Um estudo da Universidade de Indiana e da Universidade George Mason (Estados Unidos) adianta que o sexo anal não é a prática sexual mais frequente entre homens gays ou bissexuais.























Um inquérito feito a cerca de 25 mil homens que se definem como gays ou homossexuais revela que apenas 37,2 por cento fez sexo anal na sua última actividade sexual. Em contrapartida, 74,5 por cento preferiu os beijos e carícias, 72,7 por cento o sexo oral e 70 por cento a masturbação mútua.

O PODER DA MASTURBAÇÃO



O poder da masturbação
Se no universo masculino a masturbação está presente desde a adolescência, no feminino é um tabu que vem sendo derrubado aos poucos. Hoje, a mulher moderna se toca mais, conhece mais o próprio corpo e pode dar as direções para que, numa boa parceria entre as mãos e o resto do corpo, ela e o amado alcancem o prazer.
O melhor de tudo isso é que elas agora estão descobrindo (e aproveitando) o bom prazer que vem da masturbação.

Para algumas mulheres, ele pode ser até melhor que o da penetração em si. Isso porque a correta manipulação do clitóris leva muitas delas à loucura na velocidade da luz.
Se não for a responsável pelo orgasmo em si, a masturbação da região genital feminina pode ser usada como ótima carícia preliminar, fazendo com que o aquecimento para a penetração seja ainda mais estimulante. "Mas é preciso tomar cuidado porque algumas mulheres já se satisfazem com a masturbação e perdem o interesse na penetração", explica a Gina Strozzi, psicóloga, especialista em sexualidade humana. Isso significa deixá-lo literalmente na mão.
Ela lembra ainda que muitos casais não qualificam a masturbação como ato sexual, mas é preciso respeitar os contratos que cada um estabece. "Para o homem a masturbação é muito mais comum do que para a mulher. E mesmo com isso mudando, a partir da revolução sexual feminina, ainda há muitas que não se tocam ou permitem ser tocadas", lamenta.
Um caso onde as mulheres se sentem melhor com a masturbação é quando sofrem de vaginismo ou outros transtornos do desejo sexual. "Se o homem souber manipular bem a região, pode fazer com que a penetração facilite mesmo. Mas não podemos generalizar, afirmando que em todos os casos a masturbação é melhor que a penetração. Isso varia tanto entre as pessoas quanto entre os casais", afirma Gina, que é também articulista da revista Releitura, da Garimpo Editorial.
Além disso tudo, Gina explica que é preciso estar atento à importância da masturbação com as novas formas de relacionamento. A internet, por exemplo, deu a essa boa manipulação um status primordial na hora de manter relações à distância. "O sexo virtual se baseia muito na masturbação. Em casa, de maneira segura, as pessoas podem fazer sexo, se transformar, ser quem quiser. A manipulação dos genitais é muito importante na erotização e está mais ‘popular’ agora, com o universo menos restritivo".
Nesse caso, é a liberdade sexual tomando novas formas. É a virtualização do prazer - que pode começar sempre com você mesmo. Sozinhas ou com a mãozinha do parceiro, é preciso deixar essa manipulação mágica mostrar seus poderes.


SEXO ORAL: DO QUE ELES GOSTAM



Sexo oral do que eles gostam
Toda mulher sabe que os homens são fã de sexo oral, mas para fazer com que a sua boca seja o lugar preferido dele, nós conversamos com alguns rapazes para saber o que eles mais gostam nahora H. Antes de qualquer coisa é preciso que haja diálogo entre o casal
Por isso, o ideal é deixar os pudores embaixo da cama e não ter medo de conversar com o parceiro para expor suas preferências sexuais. Afinal é importante que ambos saibam até onde vai o limite do outro.
Apesar das opiniões serem unânimes entre eles, nós sabemos que existem diversas maneiras de tocar a mesma música e, por isso, vamos te dar algumas dicas de como estourar ou não os tímpanos do amado.
Para quem ainda tem dúvida, a parte mais sensível do pênis é a glande, conhecida popularmente como cabeça e, é ali, que começa toda a diversão. Lembre-se que não existe fórmula certa para o prazer e, enquanto uns podem chegar ao orgasmo tendo somente a parte de cima estimulada, outros necessitarão de um toque mais firme. 
No entanto, é preciso ser cautelosa. Segundo *Roberto, "sexo oral é muito bom, acho fundamental e não conheço homem que não goste. Mas, tem ser delicada durante o ato. Nosso brinquedo não é de borracha!", brinca.
Para quem namora e tem intimidade com o parceiro é mais fácil conversar ou até mesmo se posicionar sobre o assunto. Mas, e se for a primeira vez, como eu devo agir? 
Se você começou um relacionamento agora e fica na dúvida se deve engolir ou cuspir o gozo, *Fernando dá uma dica preciosa: "eu não acho ruim que elas cuspam, só que é importante ter tato nessas situações, algumas mulheres parecem estar fazendo o último sacrifício e saem correndo pra se limpar, o que é constrangedor", explica. 
Então meninas, segredo é não fazer nada forçado ou só para agradar eles, pois eles percebem isso na nossa cara.
Agora, se você está curiosa para saber a preferência deles, a informação seguinte não surpreende ninguém. Todos eles preferem ver você engolindo o gozo. Segundo eles, "visualmente e sensorialmente é a melhor coisa que tem", descreve *Fernando.
* (todos os nomes usados na matéria são fictícios)

SEXO ORAL, SEM TRAVAS!




Sexo oral sem travas
Nem para todo mundo o sexo oral é sinônimo de prazer garantido. 
A prática depende da intimidade do casal e, claro, da disposição.
A ginecologista e terapeuta sexual Glene Rodrigues lembra ainda que muita mulher tem nojo da secreção ejaculada e, nem sob decreto, se arrisca à prática. “São questões de educação familiar, religiosa e sócio-cultural, que construíram a identidade sexual da mulher e podem dificultar a espontaneidade da sexualidade no relacionamento”, avalia.
A médica, que trabalha com grupos de anorgasmia (inibição do orgasmo), vaginismo, inadequação sexual e ainda orienta mulheres com disfunção sexual, diz que um dos maiores erros delas, na hora do sexo oral, é demonstrar que não está à vontade - e mesmo assim continuar. “Os homens percebem, pela fisionomia, que elas estão com nojo do ato em si, o que pode levar a uma crise nesse relacionamento. A sexualidade precisa ser prazerosa para ambos”, lembra.
Outro erro, segundo Glene, é morder ou machucar com os dentes o pênis. “É preciso cuidar também para não introduzir muito o pênis dentro da boca. Ao atingir a garganta, pode provocar ânsias de vômito”.
Como bem lembra Glene, nada substitui a espontaneidade de um casal que está em sintonia. Mas algumas dicas podem tornar o sexo oral ainda melhor. Segurar com a mão na base do pênis é boa pedida, pois diminui o comprimento, evitando assim que ele se introduza por inteiro. Usar camisinha (é necessário usá-la inclusive no sexo oral) de sabores variados ajuda a resolver a preocupação em relação à ejaculação. Convidar o parceiro para tomar um banho, antes de começar, também pode ajudar quem tem um pouco de repulsa quanto à prática. “Lembre também que a área mais sensível para o homem é a glande. Mas movimentos de sucção ao longo do pênis, assim como ao redor da glande, também são fontes de prazer”.
Para Glene, que também é médica Centro de Referência em Sexologia do Hospital Pérola Bynghton, em São Paulo, a criatividade é uma das melhores aliadas na hora de apostar no sexo oral. “Chupar bala de menta dá uma sensação gelada e pode ser agradável. E, se a mulher não se sente hábil, vale treinar com uma banana, se isso a deixar mais segura”.
Mesmo com tantos artifícios - e com a certeza absoluta de que o parceiro adora o sexo oral - pode ser que você simplesmente não goste da coisa. Pode ser opção, claro. Mas também pode ser que você tenha criado uma barreira dentro da sua cabeça. “A questão psicológica, com relação à submissão, é muito forte. Às vezes elas acham que estão fazendo pelo parceiro. Mas é preciso lembrar que sexualidade é um compartilhar, é dar e receber”, insiste.
Para Glene, o casal que tem intimidade, compartilha o explorar da sexualidade no corpo um do outro e tem mais chances de estabelecer relação baseada no prazer e na segurança. “A satisfação sexual do casal é entendida como qualidade de vida. Mas, ainda assim, é preciso respeitar os limites de cada ser humano e de cada casal”.

GUIA PRÁTICO DO SEXO ORAL



Guia prático de sexo oral
Sexo oral sem segredo e cheio de prazer deixa os dois felizes
Estamos literalmente de frente a um assunto para se cair de boca Vilamigas, o sexo oral. E, como em todo bom sexo, ele tem seus truques. Vamos dar algumas dicas para um sexo oral cheio deprazer, porém, antes de tudo, você precisa estar à vontade e realmente a fim de fazer.
Sexo oral é daquele tipo de coisa que não tem como dar errado na cama, o prazer é garantido e a cada vez se descobre uma forma de fazer melhor.

E quando você pratica, também descobre do que gosta mais e do jeito que gosta mais de receber. Isso sem falar na exploração livre do corpo de ambos.
Os homens simplesmente piram com o sexo oral, pois a posição da mulher ali a seus pés lhe dá sensação de poder, além do prazer proporcionado pela visão completa do ato. Portanto, deixe as luzes acesas e encare o gato enquanto faz seu trabalho. Você se sente mais poderosa e ele como um rei. É verdade também que eles adoram sentir a maciez dos lábios pois o toque lembra o mesmo ambiente molhado e aconchegante da vagina.
O sexo oral também tem algo de mais imediato e meio safadinho, pois não exige muito carinho, é direto ao ponto mesmo. Muita gente usa o sexo oral como preliminar, mas, isso é um erro, uma vez que ele também é uma relação sexual. Mas ele pode ser um aperitivo sim, por que não? Cada casal tem seu ritmo e seu jeito de começar a brincadeira.
Para tornar a coisa realmente deliciosa, vale brincar com a sensação de quente e frio. O velho truque de chupar uma bala de menta antes da sessão de sexo é mais que verdadeiro, mas é possível usar gelo. De vez em quando, pare de sugá-lo, chupe o gelo e volte a se deliciar com o pênis. Agora, você também pode tentar misturar os dois, a dupla é explosiva e a sensação vai deixar seu homem mais do que louco, claro, de prazer.
Não se atenha a apenas uma região, beije e use a língua nas coxas, testículos, barriga e coxas, essa pesquisa de território faz com que o homem fique com a sensação de expectativa do que virá a seguir, algo próximo ao paraíso.
Não se esqueça que cada carinho e cada detalhe fazem toda a diferença. O dilema final: engolir ou não engolir é você quem decide. A maioria das mulheres não gosta muito de engolir, uma boa saída é fazer como nos filmes eróticos, peça para ele ejacular no seu corpo. Aproveite e capriche numa performance.
Toque final e não menos importante: não se descuide da proteção, use camisinha, pois sexo oral também transmite doenças.

SEXO ORAL NÍVEL AVANÇADO



Sexo oral nível avançado
Não tem jeito, a maioria dos homens adora sexo oral. Seja pelas sensações físicas provocadas pelo calor dos lábios e saliva que fazem a boca lembrar a vagina, a sucção juntamente com outras características que envolvem o lado psicológico, no qual rola aquele fetiche da submissão em relação a eles, eleva a prática e, para alguns, até supera os prazeres da penetração.
Para aprimorar a técnica, não tem jeito, a prática é indispensável. Então, se você está pensando em desenvolver suas habilidades com a boca, a gente separou algumas dicas infalíveis para fazer o seu gato subir pelas paredes.
Não vá com sede ao pote - Se quando você literalmente cai de boca quando o assunto é sexo oral, muita calma, o segredo é apostar no inesperado. Comece as carícias pelos testículos e explore bem as regiões próximas ao pênis, como períneo e ânus (se ele permitir).
Chupe, mas faça com vontade - Nada dessa história de lambidinhas leves e beijinhos delicados, eles gostam mesmo é da pressão. Na hora que estiver lá, invista em carícias mais vigorosas. Use os lábios para sugar o pênis e com a língua faça pequenas carícias, sem falar que você pode usá-la para guiar o pênis pela sua boca, encostando-o na bochecha ou céu da boca, mas cuidado na hora de comprimir o brinquedinho dele entre os lábios, pois os dentes, nessa situação, não são bem-vindos.
Sabores e sensações - Do sorvete a bala de menta, usados tradicionalmente pelas mulheres na hora de incrementar o sexo oral, hoje já é possível encontrar no mercado uma infinidade de géis aromatizados, fabricados especificamente para essa finalidade. Mas, se você não gosta de recorrer aos produtos eróticos comestíveis por ficar com o pé atrás durante a ingestão, um copo de chá quentinho ou um copo de água extremamente gelado também são válidos. Pode apostar no truque sem medo de deixar o gato feliz.
Coloque a camisinha com a boca - Para quem for continuar a brincadeira, colocar o acessório de segurança com a ajuda dos lábios é uma tática perfeita para o moço não desanimar e continuar firme e forte na diversão. Fique de joelhos aos pés do rapaz e, com a boca bem úmida, segure o preservativo do lado oposto (deixando a parte que irá desenrolar para fora) e com o auxílio da língua segure o reservatório de sémen para não entrar ar durante a colocação, depois é só encaixar a camisinha ao pênis e desenrole-a lentamente com a ajuda dos seus lábios. Achou o processo difícil? Tente nas primeiras vezes usar as mãos para desenrolar a camisinha até sentir confiança para colocá-la apenas com a boca. O truque aqui é ter força nos lábios para manter o preservativo no lugar certo enquanto o desenrola.

O CORPO DURANTE A ATIVIDADE SEXUAL



O corpo durante a atividade sexual
A química do amor faz uma revolução no nosso corpo, principalmente quando envolve o sexo, um verdadeiro rebuliço interno que altera os nossos processos físicos e químicos, capaz de aliviar as tensões, revitalizar o corpo, estimular a mente, e, claro, deixar você ainda mais íntima do seu parceiro, fundamental para um bom relacionamento.
Além disso, você fica ainda mais bonita, com a pele e os cabelos mais brilhosos.
Conforme a nossa colunista, Fátima Mourah, a explicação está nos hormônios sexuais. "Eles possuem receptores cutâneos que, quando estimulados fazem com que a pessoa tenha um melhor aproveitamento das substâncias que chegam à pele. A excitação física também eleva o nível do estrógeno, que ajuda a deixar o cabelo mais cheio e a dar a pele uma aparência sedosa".






Para começar, na fase da excitação, o homem é estimulado principalmente pela visão e a mulher pelo tato. Carícias, beijos, toque nas zonas erógenas, uso de apetrechos eróticos, uma boalingerie, enfim é preciso caprichar nas preliminares afim de estimular o corpo para o sexo. Enquanto os homens gostam de luz acesa e uma ação mais sensual para o pênis entrar em estado de alerta, as mulheres gostam de carinhos e escutar elogios do namorado.
Conforme o ginecologista Lister Salgueiro, na excitação, fase em que a pressão e os batimentos cardíacos aumentam, o sistema límbico, região do cérebro responsável pelas emoções, recebe vários estímulos. "Os neurotransmissores, como o próprio diz, transmitem a informação e interligam os neurônios cerebrais, funcionam na ativação do impulso sexual, quando ocorre a lubrificação vaginal e à ereção peniana", explica.
Os dois órgãos responsáveis pelo prazer recebem uma grande quantidade de sangue. Só que o clitóris o absorve menos, por ter menos cavidades que o pênis, isso explica o fato da mulher demorar mais para se estimular sexualmente e necessitar de mais tempo de preliminares até que o sangue lubrifique a vagina.
"Os homens também são favorecidos porque têm mais testosterona (hormônio do tesão) do que as mulheres. Somente na fase da ovulação é que a quantidade aumenta nelas. A diferença entre de volume entre os gêneros chega a quase 10 vezes", ressalta.
Enquanto a mulher fica com a vagina mais inchada, o homem tem a ereção, e os dois ficam com a respiração mais ofegante. A adrenalina também libera os dois para o ato sexual. À medida que a excitação cresce, a endorfina, substância também associada aos exercícios físicos e responsável pela sensação de prazer, está mais presente no organismo. "O sexo simula a atividade física e libera endorfina, além de dopamina e serotonina, mas é claro que o prazer é diferente do que os exercícios. O sexo é o terceiro exercício mais intenso. Para se ter uma ideia, em uma relação podemos gastar até 620 calorias", diz. 

Quando há a liberação máxima da endorfina o orgasmo acontece. Nessa hora, todas as células nervosas do cérebro descarregam seu conteúdo elétrico, promovendo o relaxamento físico total. Na mulher, durante esse clímax também é liberado outro hormônio, chamado ocitocina, responsável pela contração do útero.
De acordo com Salgueiro, a tensão muscular alcança quase o seu máximo e o batimento cardíaco pode chegar a 190 pulsações por minuto. "Muitas vezes, a pessoa não tem condicionamento físico, isso explica o fato do Viagra estar associado as complicações. Não é somente pelo remédio em si, mas o estímulo exagerado que ele proporciona. Muitos homens não estão preparados para isso", esclarece.
No orgasmo, as pupilas se dilatam, a pele fica rosada e a respiração ofegante, há a ejaculação no homem e a contração vaginal na mulher. Em algumas mulheres ocorrem os chamados orgasmo múltiplos, picos de prazer em seqüência, sem interrupções, fato que não acontece com os homens.

"Isso está associado ao chamado período refratário, a fase de relaxamento após o orgasmo. Eles necessitam desse período para ter uma nova ereção, isso varia de homem para homem, nos jovens, 30 minutos, e com o passar dos anos pode durar até 24 horas". Além da idade, estresse, cansaço e uso de medicamentos também influenciam no tempo do período refratário. Se nós precisamos de mais estímulos para atingir o prazer máximo, eles necessitam de mais tempo para voltar à ereção. É o famoso equilíbrio que a natureza explica. Os casais chegam a associar o sexo com quantidade de orgasmos. Mais do que isso, a qualidade está em primeiro lugar, principalmente quando os dois estão satisfeitos.

EJACULAÇÃO PRECOCE E SEROTONINA



Ejaculação precoce e serotonina
O problema atinge pelo menos 30% da população masculina do mundo, em qualquer idade - e mesmo assim muitos homens deixam de procurar tratamento e ajuda médica. Um pouco por falta de informação.
Outro pouco por puro preconceito mesmo. Mas fantasma da ejaculação precoce não fica nada assustador quando o homem admite o problema e resolve enfrentá-lo.



O assunto foi discutido no 10° Congresso da Sociedade Latino-Americana de Medicina Sexual, em Florianópolis, Santa Catarina. Por lá, a psiquiatra Carmita Abdo, do Programa de Estudos em Sexualidade (ProSex), do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo, coordenou e se apresentou no simpósio que tratou do auto-percepção e também das evidências clínicas da ejaculação precoce.
Em entrevista ao Vila Dois, Carmita falou mais sobre o assunto e disse que muitos homens não procuram um médico porque simplesmente desconhecem o problema. Mas a maioria ainda não consegue enfrentar o tabu de lidar com as disfunções sexuais. "O homem leva mais tempo para admitir esse tipo de coisa e não tem o padrão de busca por ajuda médica que as mulheres têm, por exemplo. Alguns ainda acham que é perigoso fazer o tratamento ou que o problema é passageiro", afirma Carmita.
O tratamento é hoje feito com psicoterapia e medicação, que pode adequar o tempo de ejaculação e ajudar no controle - e nada tem de perigoso. "Anti-depressivos são utilizados, numa dose menor do que no tratamento da depressão, por causa de seu efeito colateral, que inibe a libido e retarda a ejaculação", diz Carmita. As pomadas anestésicas também podem ajudar, mas devido a pouca praticidade, não são tão populares.
A ejaculação precoce pode ser definida especificamente pela falta de controle da ejaculação, que às vezes acontece antes mesmo da penetração. E pode ser caracterizada por uma combinação de fatores psicológicos e físicos, envolvendo o sistema nervoso central.
Por isso, estudos recentes revelam que a serotonina (responsável também por regular o humor e o apetite) é especialmente importante na ejaculação. E como o anti-depressivo não é um medicamento criado especificamente para o problema da ejaculação precoce, pesquisadores continuam atrás de fórmulas mais específicas. "Na Europa já existe uma pílula, batizada de dapoxetina, ainda em análise no Brasil", antecipa Carmita. Esse remédio busca diminuir a ansiedade, principal causa da ejaculação, atuando diretamente no cérebro e estimulando a serotonina.
Homens que sofrem de ejaculação precoce normalmente apresentam menor auto-estima, maior preocupação com seu relacionamento - a ponto de evitar relações - e níveis elevados de ansiedade e constrangimento. "A ejaculação precoce tem um impacto tão negativo para o casal quanto a impotência", diz Carmita.

Muitas vezes, as parceiras se ressentem e acabam colocando ainda mais pressão sobre os homens. Isso porque quando eles ejaculam precocemente, o prazer delas fica comprometido. Mas o que a mulher precisa ter consciência é que o impacto dessa disfunção pode ser reduzido com sua ajuda. Mantendo diálogo e fazendo com que ele reconheça o próprio problema sem medo e com apoio, o tratamento fica bem mais fácil. E o prazer, dos dois, pode voltar mais rápido para debaixo dos lençóis.

NEURAS SEXUAIS



Neuras sexuais
Medo de não satisfazer o parceiro, ou então, não ser desejada por ele. Apesar de as mulheres estarem quebrando certas barreiras em relação à própria sexualidade, em busca do prazer, muitas ainda convivem com alguns receios na "hora H", pensam mais no outro do que nelas mesmas.
Na cabeça da jornalista Isabela Ferreira, 24 anos, algumas ‘neuras’ se fazem presentes logo antes da relação. "Eu fico criando uma expectativa do "será". Será que vai ele gostar? Será que vai ser bom? Será que eu vou gostar?", conta. Maraísa Gila, 23 anos, também compartilha a mesma opinião. Solteira há seis meses depois de um longo relacionamento de seis anos, ela buscava saber se ele estava sentindo tanto prazer quanto ela "se ele estava curtindo o momento e estava sendo legal transar comigo", conta.
Acostumada a ser sempre um ombro amigo para a mulherada, a consultora sexual Carolina Diniz aponta que muitas delas ficam preocupadas com a opinião do parceiro caso elas queriam assumirposições sexuais mais ousadas. "Elas deixam de sentir prazer e não experimentam coisas novas, como ficar "de quatro", por conta da estética, acreditam que o homem vai reparar se o peito dela estiver caído".
Isabela é bem resolvida como seu corpo e não tem medo de mostrá-lo, mas confessa que algumas posições a incomodam. "Eu fico um pouco insegura com relação ao que ele possa pedir, algumas posições que não são lá muito agradáveis para uma mulher. Mas, se não for algo muito complicado, eu faço com o maior prazer", diz.
Sucesso na rede com o seu site "Sexo na ponta da língua", Carolina chega a se comunicar com muita gente por e-mail, mas também faz atendimentos via telefone ou pessoalmente, em lugares públicos, ao preço de 50 reais a hora. Depois de tanto ouvi-las, ela acredita que as mulheres ainda têm muito que trilhar na busca da qualidade sexual. "Ainda chegam para mim e falam que curtiram a relação mesmo sem ter tido um orgasmo, que para elas tanto faz, o principal é deixar o parceiro feliz".
Mas não é o que acontece com a representante comercial Mia Tanaka, de 43 anos. Na verdade, o seu principal medo é de ser comparada com a ex. Casada, ela capricha no visual - está sempre com uma lingerie mais insinuante para agradar o marido. "Também abuso dos acessórios eróticos e creminhos, ele adora", conta.
Na opinião de Isabela, com o passar do tempo os homens começaram a se preocupar com o prazer delas. "Eu acho que eles estão mais exigentes com eles mesmos, com relação a satisfazer a mulher na cama. Fazer com que ela goste de todas as formas possíveis", opina Maraísa. Sobre isso, a terapeuta conta que um dos seus amigos chegou a namorar cinco anos com uma mulher que não falava sobre sexo "ela tinha vergonha", e não chegava a sentir orgasmo, só a partir do sexo oral. Preocupado, ele até usava uma espécie de piercing vibratório. "Conheci um cara que até chegou a me perguntar o que eu queria que ele melhorasse na cama", diz Isabela. No entanto, Carolina afirma que muitos dos homens ainda encarnam personagens na cama e ficam preocupados com o próprio desempenho, sem saber se elas estão curtindo ou não.
"Mas acredito que hoje em dia o principal medo é falhar na 'hora H", isso é o fim para eles! E claro, a questão da ejaculação precoce. Para se ter uma ideia, depois que eu fiz uma matéria sobre o assunto, recebi mais de 1200 e-mails, um deles chegou a dizer que goza rápido, mas não tinha ejaculação precoce (risos) e veio cheio de perguntas", comenta. Apesar de ter as mulheres como a maioria dos usuários e pacientes, cerca de 70%, muitos homens a procuram para falar sobre o famoso "fio terra".

Eles tem medo de sentir prazer na região do períneo ou com sexo anal, isso quando a parceira introduz os dedos no ânus. A próstata é um ponto G! A partir do momento que ele sente prazer através dessa prática e com uma pessoa do sexo oposto, não é considerado um homossexual. É um tabu que eles precisam quebrar". Pelo visto não é só a mulherada que convive com um "diabinho" atormentando a cabeça na hora do sexo. O importante é ultrapassar essas barreiras e imaginar que o sexo é um encontro de sensações gostosas, de descobertas, fantasias e desejos.

RISCOS DO SEXO ANAL




Riscos do sexo anal
Gel com lubrificante anal Sensible. Foto/Divulgação
A penetração anal mexe com a fantasia dos homens, mas ainda é tabu para muitas mulheres.
Quando a parceira não está relaxada ou com vontade de praticar esse tipo de sexo, pode sentir dores e afugentar de vez o prazer.
E para quem não sabe, o sexo anal pode ser a porta de entrada para doenças graves. "Quem pratica este ato sem o uso de preservativo pode contrair HIV, Hepatite B e C, sífilis, herpes e HPV. Isso porque o ânus é um local com pouca lubrificação, aumentando o atrito e fissuras", explica Dra. Carolina Ambrogini, ginecologista, sexóloga e coordenadora do Projeto Afrodite, ambulatório de sexualidade feminina da UNIFESP.
O cuidado com a higiene pode ajudar a reduzir o número de infecções. "Se o casal fizer sexo anal, precisa trocar a camisinha antes de fazer o sexo vaginal, para que a mulher não se contamine com as fezes. Caso contrário, ela pode ter corrimentos e até problemas no útero", alerta Dra. Carolina.
A médica aproveita para derrubar certos tabus. Por exemplo, sexo anal não provoca hemorróida. "Porém, se ela já existe, a penetração pode complicar ainda mais e originar sangramentos", esclarece. O ato também não provoca incontinência, mas se a mulher introduzir objetos muito longos e pontiagudos no ânus, corre o risco de perfurar o reto. "É importante ressaltar que o pênis não causa este tipo de lesão", diz a especialista.
A mulher que possui alguma doença na região anal, sente dores ou sangramentos deve evitar este tipo de penetração. "O sexo anal também não é indicado quando a mulher está com diarréia, porque vai potencializar o problema, ou com intestino preso, uma vez que as fezes estão mais duras e compactadas, podendo causar dores".

Para diminuir o desconforto, a Dra. Carolina indica o uso de lubrificantes. "É importante ressaltar que o produto ajuda o pênis deslizar com mais facilidade, mas não reduz o risco de infecções. Por isso, a regra é usar sempre camisinha", ratifica.

3 JEITOS DE ATINGIR O ORGASMO SEM PENETRAÇÃO



3 jeitos de atingir o orgasmo sem penetração
Foto: Max Power/Corbis
Para quem acha que sexo é sinônimo de penetração, saiba que é possível atingir o clímax apenas com amassos e carícias. Você pode até chamar o que nós estamos falando de preliminares, mas o sexo sem penetração eleva e prolonga o prazer sexual.
Acha que a experiência não pode ser satisfatória, afinal, há anos você já deu adeus a sua virgindade? Para quem ainda não experimentou voltar no tempo e testar as infalíveis técnicas do esfrega, amassa e passa a mão - bastante usadas na adolescência - não sabe o que está perdendo.
O sexo sem penetração, para sair da rotina ou renovar o vínculo do casal, não importa o motivo, incentiva as fantasias e estimula a sedução tanto por parte dele quanto dela. Então, se você não atinge o orgasmo com a penetração, invista (pesado) na técnica e alcance o ápice do prazer.
As trocas de carinhos mais intensos faz com que o casal reviva os sentimentos e sensações relacionadas ao inicio do relacionamento. De acordo com o Deva Nishok, coordenador do Centro Metamorfose e responsável pelo desenvolvimento da técnica de massagem baseada no sexo tântrico, é importante caprichar nas preliminares e principalmente nos beijos. "A saliva, assim como o suor, possui feromônio, hormônio que estimula a sexualidade", afirma.
Não acredita que possa ter um orgasmo sem chegar aos ‘finalmentes’ ou acha que o gato não vai gostar da proposta? Aposte na técnica do sexo sem penetração e veja que, assim como você, ele vai adorar a novidade.
Namore no sofá - Para relembrar do comecinho do namoro e ficar longe da penetração, pelo menos por agora, saia da cama e vá namorar no sofá ou poltrona do cinema. Os amassos e esfregação despudorados fazem qualquer mulher suspirar de prazer e ficar louca de desejo. Então, aproveite a pegação para dar uma colher da chá também para o rapaz. Comece passando a sua mão pelo corpo do gato, por cima do zíper e, no jogo do libera/não-libera, vocês vão acumular energia e tesão de sobra para quando chegar a hora do ‘vamos ver’.
Mão, barba, boca e mordidas - Para despertar as sensações adormecidas peça para ele acariciar cada parte do seu corpo e indique em quais partes deseja que os movimentos sejam mais vigorosos ou sutis. Incluir a boca, a barba por fazer e leves mordidinhas nas carícias em partes como barriga, parte inferior das coxas, costas e bumbum é garantia de arrepios e na certa te levarão à loucura.
Tire o foco da vagina e clitóris - Apesar da maioria dos homens apreciarem um belo par de seios, na hora da transa, nem sempre, eles recebem a atenção que merecem. Para quem não sabe, o orgasmo mamário é mais normal do que imaginamos e, assim como o estímulo do períneo (aquele espacinho entre o ânus e a vagina), são altamente sensíveis e eficazes na hora de proporcionar prazer ao mulheril.