segunda-feira, 8 de abril de 2013

Mulher casada deseja...



Quando falamos de “desejos secretos” das mulheres, nem todos são tão secretos do jeito que imaginávamos há vinte anos; com a evolução do tempo as mulheres se libertaram em parte daqueles dogmas dos tabus antigos, todos os que as ligavam a uma espécie de mulher vadia, e passaram a adotar claramente seus desejos sexuais.

A mulher moderna fala e fazem sexo tão naturalmente, que hoje é mais raro se observar rodas de amigos falando do tema, como era comum, do que mulheres tratando de assuntos ligados ao sexo entre seus parceiros. Alguns programas de televisão já são especialistas em sexo entre mulheres; isso mesmo, a mulherada fala abertamente sobre seus anseios e suas experiências e declaram em horário nobre da televisão aquilo que esperam dos homens e algumas até de outras mulheres.

Um jornal americano pesquisou durante 12 meses alguns temas ligados ao sexo; seus alvos foram às mulheres casadas e divorciadas, que explanaram abertamente tudo que esperam de seus amantes; o resultado foi surpreendente:

83,2% das mulheres entrevistadas afirmaram que não se sentem (ou não se sentiam) satisfeitas sexualmente com seus maridos, mas apenas 3% destas afirmaram que já traíram os companheiros. Estes 3% que mantiveram relações sexuais com outras pessoas durante o matrimônio, menos de 1% disseram que ficaram apaixonadas pelos amantes; quase todas, ou 99,9% delas disseram que traíram, porque não tinham sexo de boa qualidade em casa e seus maridos não faziam nada para satisfazê-las.

A mulher americana desabafa na pesquisa e afirma que seus atuais e ex-maridos somente pensam neles; segundo as insatisfeitas, os maridos passam dias sem procurá-las na cama e quando o fazem, pensam logo em saciar seus desejos e saem rapidamente para o banheiro, enquanto elas ficam a mercê da própria sorte.

Incrivelmente, das mulheres entrevistadas 43% disseram que se masturbam com freqüência e 5% destas disseram que usam pênis artificiais no ato; 13% afirmaram já terem tido relações sexuais com amigas e nenhuma delas se afirmaram serem lésbicas.

68% de todas as entrevistadas disseram que jamais sentiram qualquer prazer com seus maridos; perguntadas se elas jamais tiveram algum orgasmo, quase metade disse que “jamais sentiram um orgasmo” durante a penetração; mais de 80% disse que para chegaram a qualquer tipo de prazer elas tinham que se manipularem no clitóris e sem nenhuma ajuda daqueles que são ou foram seus maridos.

Sobre as causas destes tantos desconfortos, foi perguntado como eles fariam para deixá-las agradadas e nesta pergunta, 85% disse que se seus maridos fizessem pelo menos sexo uma vez por semana elas já teriam uma luz no fim do túnel; 30% querem seus parceiros mais viris e reclamaram que os pênis de seus companheiros não ficam eretos por mais de 1 minuto. 21% delas também disseram que sentem desconforto quando são penetradas e 94% disseram que somente fizeram sexo vaginal, enquanto as 6% das que disseram já terem feito sexo anal, 80% disseram que não foi com seus maridos.

Quando o tema é sexo oral, incrivelmente 52% disseram que seus maridos não deixam e nem fazem sexo oral por acharem sujo, nojento ou pervertido. Das que jamais fizerem sexo oral ou anal, 97% querem um dia fazer oral e 62% querem um dia fazer anal! Daquela parcela de mulheres que já traíram os maridos, 74% fizeram sexo anal com os amantes e 99,6% fizeram sexo oral também!

Quando perguntado se tamanho e formato do pênis é documento, 41% estão satisfeitas com o tamanho e formato do pênis de seus maridos e 59% queriam conhecer homens com pênis maiores e mais espessos; 13% reclamaram do formato dos pênis de seus parceiros e todas disseram que esta insatisfação se dá, porque eles são finos e muito tortos. Quase 100 destas mulheres afirmaram que sonham em conhecer um dia um homem com mais de 20 cm de pênis e disseram que não é para satisfação de penetração, mas para, acreditem, brincar com algo extraordinário e exclusivo.

Esta última parte me fez lembrar a tribo africana, salvo maior juízo no Zimbábue, que tinha homens enormes cujos pênis passavam de 20 cm e que recebiam milhares de admiradoras européias que gostavam da diversidade de pele e dos tamanhos dos pintos dos africanos. Na década de 70 e 80, alguns relatos chegaram a firmar que os maridos de muitas destas mulheres as levavam até a tribo e pagavam aos enormes negros para que eles satisfizessem os desejos de suas esposas. Um filme feito acerca do tema abordou que o resultado desta experiência foi que mais de 90% das mulheres ficaram satisfeitas com o casamento...!

Voltando a pesquisa americana, 46% das 1000 mulheres entrevistadas afirmaram que usam constantemente outros artefatos de estímulo sexual, como lingeries extravagantes, cremes, perfumes exóticos e brinquedos eróticos; 69% adotam o padrão de assistirem filmes pornográficos acompanhadas deles e 11% assistem filmes eróticos sozinhas, sem que os maridos saibam.

Quando o tema foi a posição preferida, 76% disseram que amam serem penetradas de quatro; 26% gostam da posição convencionalíssima de papai-e-mamãe; 39% gostam de ficar por cima sempre e 4% adoram posições extravagantes e difíceis, do tipo Cama Sutra.

Quando se fala de ejaculação precoce a mulherada enlouquece na pesquisa; 75% disseram que já tiveram pelo menos uma transa onde seus parceiros gozaram no primeiro minuto e depois broxaram. Elas todas esperam que eles tenham pelo menos uns 5 minutos (tempo médio) de relação sexual e que as “preliminares” sejam quentes o suficiente para deixá-las excitadas. Segundo a maioria, já que elas não conseguem gozar, que pelo menos possa utilizar a lembrança dos pênis lhes penetrando, coisa que pelo visto não ocorre.

Na finalização da pesquisa, que a meu ver é mais um documentário, 32% das mulheres disseram que não farão nada e se sentem satisfeitas, mesmo com alguns desconfortos sexuais no casamento; 29% disseram que se puderem, mudarão o ritmo sexual do casamento; 19% disseram que seus casamentos ou já terminaram ou estão por um fio e 20% disseram que fará algo nos próximos dias, seja com os maridos, seja com outros, para mudarem radicalmente o modo de fazer sexo e amar!

Concluindo a falando abertamente sobre a pesquisa, eu tenho que dizer aquilo que sempre disse em vários de meus textos; os homens estão mais preocupados com o dinheiro e com o próprio pênis, esquecendo que suas mulheres, namoradas, noivas ou amantes; elas precisam se sentir satisfeitas em todos os modos; a nova mulher que se depilar para deixar a vulva atraente; que chupar, lamber, fazer anal, da mesma forma que grande parte delas querem satisfazer o outro. A nova mulher do Século 21 quer participar do sexo sem discriminação ou sem dogmas inúteis; ela quer inventar, se contorcer, se tocar, enfim, se seus maridos não conseguem acompanhá-las, que não as recrimine; que participe mais e acima de tudo, as respeitem como esposas ou amantes!

Se o homem não tem o pênis enorme e grosso, e ela gosta deste tipo; que mal há em deixar a esposa comprar um de silicone e brincar com ela nos momentos mais íntimos? Ou melhor, que tal dar de presente pra ela uma piroca do tamanho King Kong? Eu tenho certeza que ela iria adorar e passaria a vê-lo com outros olhos!

Não que a culpa seja exclusivamente dos homens, mas boa parte dela é; não custa nada a rapaziada praticar a aparagem dos pelos pubianos, pois a maioria das mulheres se queixa dos “pentelhos enormes”; não lhes custa nada higienizar bem, todos os dias, a glande, para que não haja acúmulo de secreções e odores da urina; imagina uma mulher apaixonada ter que encarar um “pinto” sujo ou fedido? Não há estômago que aceite!

Muito embora haja a mulher que goste de apanhar, tenho certeza que elas são minoria; neste caso, não custa ser gentil, cavalheiro, comprar uma vez na vida um champanhe ou lambuzá-la de chantilly; é maravilhoso nas preliminares fazer brincadeirinhas picantes e beijá-la na boca, ou onde mais a sua imaginação permitir; a maior parte das mulheres gosta de carinho, de carícias, de beijinhos e de muita sacanagem.

Senhores homens; deixem suas amantes sedentas de tesão; as façam sentir como lobas no cio e marque seu território; capriche na sua orgia particular e transe muito; é muito melhor que elas peçam para parar, do que quando elas dizem: - é só isso?

Se forem casados hoje, lembre-se de quando eram namorados, quando estavam sempre querendo transar no primeiro motel; então faça o mesmo novamente; leve sua parceira para o motel; transe com ela no mato, de moto ou de metrô, no carro ou numa casinha de sapê; faça tudo que for possível e que agrade a ambos. Esqueça os amigos, a internet, a família, a zona ou os vizinhos, pois você é casado com ela e ninguém mais pode interferir na sua relação, desde que ambos concordem!

Esqueça qualquer pesquisa ou modelo e façam aquilo que elas desejam; busque conversar mais com elas e tirem tudo que for proveitoso para sua relação, afinal de contas, se o amor já acabou ou se está havendo distúrbio na relação, ou se conserta ou termina; e como diz o ditado, por ninguém ser de ninguém, se não houver remédio, a fila anda; e neste caso, o próximo poderá ser o Ricardão...

Se alguém precisar de alguma ajuda, busque esta ajuda; não se sintam envergonhados na hora de visitar um psiquiatra ou um sexólogo; eles são profissionais que estudaram para lhes oferecer algum alívio. Eu não creio que a família deva pagar um preço tão alto se o problema está na cama, aliás, muitas vezes o problema não está na cama; pela pesquisa americana o problema mais grave está na cabeça de cada um.

Meu texto pode parecer erótico, mas não é; é elucidativo, claro e contemporâneo; muito embora tenha tópicos adultos e seja um tema para maiores, minha idéia não é passar erotismo ou pornografia; minha idéia é abrir a cabeça dos mais refinados amantes e fazer enxergar aos arcaicos que o mundo é feito de realidade; e a realidade desta nova ordem mundial é esta: o casal necessitar ser casal e agir como casal!


C. Pires

Nenhum comentário:

Postar um comentário