domingo, 28 de junho de 2015

18 maneiras de fazer nó de gravata

Seja com jeans e blazer, ou em um terno, a gravata vai te dar mais estilo e personalidade. O grande problema está na hora de fazer o nó. Sem seu velho em casa, é o momento para recorrer a internet ou diversos tutoriais para deixar o acessório alinhado.

O ronco e o que fazer...


O ronco é um problema que afeta muitos homens, além de afetar também todas as pessoas que estão ao redor daqueles que roncam. Esse ronco alto e incômodo (aos outros) pode ser o sinal de uma patologia mais grave, como por exemplo a apneia (fechamento das vias nasais durante períodos do sono). 
Existem alguns hábitos que agravam o problema e não ajudam nada no tratamento. Saiba o que você pode fazer para amenizar o ronco no dia a dia e lembre-se: se você ronca muito, procure um especialista para investigar essa questão profundamente. 

DÊ UMA SEGURADA NO ÁLCOOL 
O álcool relaxa o músculo da faringe, que naturalmente já fica mais relaxado durante a noite. Esse relaxamento muscular dificulta a passagem do ar porque estreita os canais, fazendo com que o barulho do ronco aumente bastante. 

RELAXANTES MUSCULARES: 

EVITE O efeito é parecido ao do álcool. Com a ingestão de relaxantes musculares, a musculatura afrouxa exageradamente e isso faz com que você praticamente grite enquanto ronca, de tão alto. 

CIGARRO PREJUDICA 

O tabagismo também é um hábito que influencia diretamente no som e na frequência do seu ronco. O cigarro irrita a faringe e pode provocar inchaço na região, dificultando a circulação de ar. A combinação cigarro + bebida alcoólica, então… 

GANHO DE PESO E OBESIDADE 

O acúmulo de gordura fica sempre mais evidente na barriga, mas o pescoço também engorda junto. Essa deposição de gordura na região aumenta a obstrução da faringe. Isso, somado alguns aspectos como amídalas grandes, relaxamento exagerado da musculatura e respiração bucal, pode potencializar demais o ronco.

NÃO DURMA DE BARRIGA PRA CIMA 

Dormir de barriga para cima favorece a manifestação do ronco porque, com essa posição, a tendência é que você abra a boca e seu queixo dê uma recuada, pressionando a faringe. Isso resulta no estreitamento dela e na vibração dos tecidos, o que facilita o ronco. Procure dormir de lado ou de bruços. 

CUIDE DA RINITE E OUTRAS PATOLOGIAS 

Rinite alérgica, desvio de septo, pólipo nasal, amídalas e adenoides grandes… Todos esses fatores contribuem para obstruções crônicas no nariz. Esses tipos de problema podem desencadear na respiração bucal e em outras situações que pioram o ronco.

O vício em pornografia...

Como a pornografia me viciou ...

O vício em pornografia e masturbação não veio de uma vez na minha vida. Ele foi se instalando aos poucos e tomando conta de tudo até eu perder o controle. 
Reconheço como um viciado. Na adolescência descobri a masturbação (acredito que a maioria das pessoas passou por essa fase) e como todo adolescente eu vivia “fazendo justiça com as próprias mãos”. Nessa época, o acesso a pornografia era bem mais restrito. Tudo o que nós tínhamos eram revistas, filmes do Cine Privé da Band (ficar até a madrugada de sábado acordado para ver peitos e ainda correndo o risco da mãe acordar e ver você na sala assistindo filme erótico) e filmes em vídeo cassete ou cds pra assistir no computador. 

A internet ainda estava num período bem precário, a conexão era discada (o telefone ficava o final de semana todo ocupado), não havia grandes sites de busca e levava-se mais de um final de semana inteiro para baixar um vídeo de poucos minutos em programas como o Emule. Portanto, apesar da masturbação sempre fazer parte da minha vida, a pornografia ainda não era uma constante. A partir do momento que eu mudei para uma cidade grande, cerca de 7 anos atrás, e assinei um plano de internet banda larga e foi aí que a situação mudou. Havia uma infinidade de sites, atrizes pornôs, categorias de sexo das mais variadas, era um mundo totalmente novo. O que me interessava era simplesmente o sexo heterossexual entre duas pessoas. Não me interessava em sexo grupal, achava gangbang algo exagerado, e fugia vídeos de travestis. 

Consumia pornografia algumas vezes por semana, pois ocupava o tempo com faculdade, trabalho, sair com amigos e outras coisas. Mas com o tempo a frequência com que eu consumia pornografia foi aumentando. Como tinha um computador que ficava no quarto que eu dividia com meu irmão, eu aproveitava os momentos que não tinha ninguém por perto e ia me masturbar com pornografia. Algumas vezes eu preferia ficar em casa a noite do que sair com amigos. Mesmo assim, nunca havia pensado que isso pudesse ser o início de um vício. Terminei a faculdade e logo comecei a trabalhar. Ficava o dia todo no trabalho e nas oportunidades que ficava sozinho no escritório, ia no banheiro me masturbar. Mas me masturbar sem pornografia não me satisfazia. Nesse período iniciei o relacionamento com minha atual namorada. Fiquei algum tempo longe da pornografia, porque fazíamos sexo com muita frequência. Mas logo fui voltando aos sites pornôs. Conforme a masturbação e a pornografia iam aumentando, o sexo real com minha namorada ficava cada vez mais sem graça para mim. Eu precisava pensar em atrizes pornôs para chegar ao orgasmo. Algum tempo depois fui demitido. Resolvi que ia usar o dinheiro do FGTS e do seguro desemprego para estudar e passar em um concurso público. Assim, ficava o dia todo em casa para estudar. O que eu achei que seria uma ótima ideia foi apenas uma armadilha. Dividia o estudo com os sites pornográficos. O sexo convencional começou a perder a graça e passei a ver vídeos de gangbang, humilhação, travestis, masoquismo e outras categorias que nunca haviam me despertado interesse. Comecei a ficar cada vez mais recluso, não gostava de sair de casa e nem de receber visitas. Não tinha prazer em mais nada a não ser assistir pornografia e me masturbar. Conforme minha vida social ia diminuindo, crescia em mim uma forte fobia social. Me sentia ansioso em ir em qualquer lugar que tivesse muitas pessoas. Minha vida pessoal também piorou. 

Procrastinar virou algo normal para mim. Como não conseguia ter controle da minha vida fiquei cada vez mais depressivo. No entanto eu não achava que toda essa bagunça na minha vida tivesse qualquer relação com o vício em pornografia. Eu pensava que era um momento difícil por estar sem emprego e que a pornografia estava me ajudando a aguentar isso. 
Até que um dia, por acaso, encontrei no Youtube um vídeo do Gary Wilson onde ele falava do vício em pornografia.

Eu me vi ali. Tudo que ele falou era o que estava acontecendo na minha vida. Percebi, finalmente, que eu estava viciado em pornografia, masturbação e orgasmo (que costumamos chamar de PMO). Ao pesquisar sobre o assunto, encontrei fóruns com várias pessoas que passavam pelo mesmo que eu. Com a ajuda dessas pessoas, decidi iniciar meu processo para me livrar desse vício. O vício em PMO, assim como vários outros vícios, começa com uma busca pelo prazer. Com o tempo todas as outras coisas vão ficando sem graça e você sente que só PMO pode te dar prazer. Mas até os vídeos pornôs começam a ficar sem graça pois seu cérebro fica anestesiado de tanto assistir a mesma coisa. A partir daí seu cérebro começa a procura estimular, além do prazer, a novidade. Coisas que nunca te traziam interesse começam a te dar tesão. Você começa a utilizar PMO para enfrentar qualquer problema. 

Se está nervoso, você se masturba, se está ansioso também, se está triste também. Chega um momento em que você vira refém disso. Um dos métodos sugeridos pelos especialistas, e que ex-viciados garantem que funciona, é o reboot. 
O reboot é um processo de “desintoxicação” onde deve-se abrir mão de PMO por 90 dias. Eu sei, parece algo absurdo ficar tanto tempo sem isso. Mas, segundo especialistas, esse período serve para seu cérebro se rearranjar e para que a pessoa volte a sentir prazer em outras coisas. O principal objetivo do reboot é ficar longe da pornografia, que é o mais viciante. Assim, se a pessoa não conseguir se controlar, que pratique a masturbação sem recorrer a pornografia. O sexo durante o reboot pode ajudar também. Mas para um viciado é muito difícil concluir o reboot. O período mais longo que eu consegui ficar sem PMO foi de 32 dias. Num final de semana sozinho eu recaí e fiquei durante 6 horas seguidas me masturbando compulsivamente. Esse é um problema dos viciados, quer seja em pornografia ou em substâncias como álcool e drogas. A abstinência é muito forte e o seu cérebro tenta encontrar diversas desculpas para voltar ao vício. “Só uma última vez e depois você para”, “você sente que venceu o vício, então não custa nada experimentar para testar”, são frases que vêm à cabeça constantemente e que quase te fazem recair. Hoje percebo que sou um viciado e que não há uso seguro de pornografia para mim. 
Basta assistir um vídeo para perder o controle e querer cada vez mais. Muitas pessoas passam por essa mesma situação e não sabem como superar. Por isso recomendo que pesquisem sobre o assunto e procurem ajuda, seja com psicólogos ou com pessoas que passam pela mesma situação. Não se deixem levar por comentários de pessoas que acham que pornografia não vicia. Assim como eu bebo álcool de forma controlada, eu sei que algumas pessoas não conseguem ter controle com bebidas alcoólicas. O vício atinge pessoas de forma totalmente diferentes, portanto, não dá pra medir o mundo pela minha régua. E para encerrar, todo esse movimento para alertar pessoas sobre o mal da pornografia tem como objetivo ajudar a enfrentar o vício. Não sou uma pessoa que quer acabar com a indústria pornográfica, nem quero impor dogmas religiosos (aliás, isso não tem a ver com religião). 
A pornografia em excesso pode trazer inúmeros malefícios na vida de homens e mulheres e muitas vezes as pessoas só percebem isso quando já estão viciadas. Falar sobre o assunto é a melhor forma de conscientizar sobre o vício. 


O que é Ejaculação Precoce?


Você sofre com ejaculação precoce? Já deixou sua mulher na mão por causa desse problema? Saiba que há relatos sobre a frustração causada pela rapidez da ejaculação no manual indiano Kama Sutra, que foi escrito entre os séculos I e IV. Um ejaculador precoce não consegue controlar a ejaculação por tempo suficiente para satisfazer sua parceira e se sente insatisfeito com o ato sexual. Não existe concordância entre os especialistas quanto ao tempo mínimo para classificar o homem como ejaculador precoce. Devemos levar em conta o tempo para ejacular curto, insatisfação com o ato sexual e a perda do controle da ejaculação antes do seu desejo. 
A Sociedade Internacional de Medicina Sexual define Ejaculação Precoce como “ejaculação que sempre ou quase sempre ocorre antes ou cerca de um minuto após a penetração vaginal; e com consequências pessoais negativas como insatisfação, incômodo, frustração e/ou o desinteresse na intimidade sexual”. 

TIPOS DE EJACULAÇÃO PRECOCE 
Ocorrem casos de ejaculação precoce primária, que ocorre sempre rapidamente desde a primeira atividade sexual do indivíduo e com todas ou quase todas as mulheres com quem esteve, ocorre durante toda a vida na maioria desses homens ou pode ser agravada com a idade. Alguns ejaculam antes da penetração vaginal e outros logo após a penetração vaginal. Ocorrem também casos de ejaculação precoce secundária, que ocorre depois de um período de normalidade ejaculatória durante a vida, geralmente apresentando algum fator ou doença que predisponha a isso. Problemas de relacionamento ou distúrbios psicológicos também podem levar a ejaculação precoce adquirida. Outra forma é a ejaculação precoce de ocorrência ocasional e não deve ser encarada como sendo algo psicopatológico e sim como uma variação normal no desempenho sexual. Importante é avaliar também o grau de satisfação sexual da parceira em relação ao que o homem se queixa, porque dependemos do tempo que ela leva para atingir o orgasmo para tentar regular o tempo que o homem deve atingir o clímax. 

CAUSAS DO MAL 
Ejaculação precoce está presente em cerca de 30% dos homens e não guarda correlação com idade, estado civil ou etnia. Em relação a sua origem existem fatores hereditários e genéticos moderados, neurobiológicos, metabólicos e endócrinos, urológicos e psicossociais. Existe concordância entre gêmeos idênticos em cerca de 30%. O hipertireoidismo pode estar relacionado a ejaculação precoce primária. Existe controvérsia com relação à hipersensibilidade e hiperexcitabilidade da glande peniana. A ansiedade, principalmente ansiedade de desempenho relacionado à sexualidade, experiência sexual precoce, baixa frequência sexual, falta de técnicas apropriadas e experiência para o controle da ejaculação pode levar a ejaculação precoce, havendo discussão se podem ser consequência em vez de causa. Existe também associação entre ejaculação precoce e disfunção erétil, podendo formar um ciclo vicioso em que um homem tentando controlar sua ejaculação instintivamente reduz seu nível de excitação ou este mesmo homem tentando ficar mais excitado para uma melhor ereção pode apresentar ejaculação rápida. 

TRATAMENTOS PARA EJACULAÇÃO PRECOCE 
O tratamento pode ser feito com psicoterapia comportamental, técnicas como “stop-start” e “pause-squeeze”, anestésicos tópicos aplicados na glande e tratamento farmacológico com drogas da classe dos antidepressivos tricíclicos e dos inibidores da recaptação da serotonina de forma diária ou sob demanda, não sem ocorrer efeitos colaterais. O “pause-squeeze” consiste em apertar o pênis na região logo abaixo da glande, durante a masturbação, no momento que o nível de excitação está mais elevado, interrompendo a sensação. O “stop-start” tem o objetivo de treinar a percepção de sensações genitais, para que a qualquer vontade de ejacular o indivíduo pare, respire profundamente e interrompa a excitação de forma voluntária. A conduta terapêutica atual para ejaculação precoce é a associação de tratamentos farmacológicas com técnicas de psicoterapia comportamental, ou seja, remédio e treino! Se você tem dificuldades em controlar quando vai ejacular ou qualquer outra dificuldade no âmbito sexual deve procurar um médico urologista para maiores esclarecimentos e tratamento adequado. 

► Texto escrito por Dr. Fabio Crialezi (CRM/PR:23691 RQE:2834), médico urologista, membro da SBU (Sociedade Brasileira de Urologia) e da ISSM (Sociedade Internacional de Medicina Sexual), estudando MBA Executivo em Saúde pela FGV, entusiasta do mergulho autônomo.

sábado, 27 de junho de 2015

Alguns problemas de pênis: explicação rápida

Fimose

De acordo com o médico especializado em Andrologia, Carlos Augusto Cruz de Araújo, fimose é quando o homem não consegue expor a glande do pênis durante a ereção. Em alguns casos, pode chegar a machucar quando estiver ereto, além de dificultar a higienização.
Apesar de ser mais freqüente em crianças de 3 a 4 anos, adultos também podem ter. A correção é feita por meio da postectomia, ou seja, um procedimento cirúrgico que retira o prepúcio localizado sobre a glande. Os adultos, geralmente, são submetidos à anestesia local, enquanto os garotos à geral.

Pênis torto

Peyronie é uma doença que provoca uma tortuosidade no pênis e, em alguns casos, dificulta ou inviabiliza a relação sexual. "Peyronie é uma fibrose, ou seja, uma calcificação por trauma, que pode ocorrer na relação sexual, em ereções noturnas ou quando o pênis sai da vagina", explica Carlos Augusto Cruz de Araújo, médico especializado em Andrologia.
O primeiro sintoma é o surgimento de um caroço que pode ser percebido embaixo da pele do pênis. A cabeça do pênis pode ficar frouxa durante a ereção, que chega a doer em alguns homens. E com o tempo, a tendência é piorar.
Há solução para a patologia. "O tratamento é realizado com medicamentos e, em estágios avançados, com cirurgia", afirma Araújo. Entretanto, o especialista alerta que o problema pode voltar.

Ejaculação precoce

A ejaculação precoce, atualmente chamada de ejaculação rápida, não se mede pelo tempo médio de duração da relação sexual, mas sim pela satisfação e prazer do casal. "A ejaculação precoce é quando o homem ejacula em um tempo menor do que o esperado pela parceira e, às vezes, acontece antes da penetração. Pode levar menos de dois minutos", define Nelson Gattas, chefe da equipe de urologia do Hospital Edmundo Vasconcelos.
"Não há causa orgânica para o problema, que é de fundo psicogênico. Portanto eu sugiro dois caminhos: diminuir a ansiedade por si ou buscar ajuda psicológica", diz o especialista. Muitos pacientes procuram urologistas porque desejam acabar logo com o "mal". Entretanto, o tratamento é feito à longo prazo com psicoterapia focada na sexualidade, mas o importante é que há cura total. "Geralmente, os homens me procuram pois querem curar o efeito e não a causa da ejaculação precoce", explica Gattas.
Alguns médicos, porém, prescrevem ansiolíticos ou antidepressivos para ajudar a prolongar a relação sexual. Mas o psicólogo e psicoterapeuta Abilio Machado alerta que o homem pode ficar tão calmo a ponto de perder o apetite sexual.
O psicólogo e psicoterapeuta Abilio Machado aponta algumas possíveis causas, como aspectos emocionais e ansiedade de performance. Embora a ejaculação precoce seja detectada em homens de qualquer idade, os jovens são os que mais se queixam porque eles apresentam maior grau de ansiedade e dificuldade de controle.
Um dos grandes erros do ejaculador rápido é manter o corpo tenso demais. "A ejaculação precoce é um alívio de tensões", diz Machado. A mulher, contudo, às vezes contribui com o problema. "Quando a relação do casal não vai bem, a mulher quer se ver livre daquela situação e acaba apressando a ejaculação", afirma.
"A predisposição do paciente ao tratamento interfere diretamente no sucesso dele", esclarece Machado. O psicoterapeuta trabalha com os homens que sofrem de ejaculação precoce utilizandodiversas tecnicas.
O psicoterapeuta ensina o homem a controlar simultaneamente a parte respiratória, física e emocional. "O homem deve buscar o autoconhecimento e controle do corpo para proporcionar à mulher estado de prazer e êxtase", afirma o especialista.
"Qualquer mudança comportamental na vida sexual do homem tem de ser investigada com ajuda profissional da área. O importante é não deixar o problema se agravar", ressalta a psicóloga clínica Eliete Medeiros.

Impotência sexual

A impotência sexual ou disfunção erétil (DE), de acordo com o urologista Samuel Saiovici, consiste na dificuldade de manter a ereção para uma relação sexual.
É claro que os parâmetros mudam de acordo com a faixa etária. Homens com mais de 40 anos estão mais propensos à disfunção, por conta da queda da produção de hormônios, principalmente da testosterona. "É normal um rapaz de 16 ou 18 anos ter perda de ereção pelo estresse da ansiedade. Isso não sinaliza que ele será impotente. É apenas uma circunstância", explica o presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Sexual, Mário Dantas.
Alguns sintomas servem de sinais e devem ser observados, tais como: dificuldade de conseguir ou manter a ereção, ereções mais difíceis pela manhã, atingir o orgasmo ou ejacular rapidamente, entre outros.
Quando os indicadores de uma provável disfunção ocorrem freqüentemente é fundamental procurar ajuda médica. A disfunção erétil possui duas causas principais: as psicológicas e as orgânicas.
As orgânicas estão relacionadas, exclusivamente, às condições físicas do indivíduo. Segundo Mário Dantas, alguns fatores são apontados como causadores, como a irrigação sangüínea deficiente no pênis por problemas vasculares, a obesidade, a diabetes e o colesterol. Além disso, certos comportamentos de risco também podem contribuir com a impotência sexual, como o consumo de álcool, drogas, cigarros e até medicamentos.
As causas de fundo psicológico são responsáveis por levar até mesmo jovens a desenvolver o problema. "Quando o homem se sente impotente diante de uma situação, ele somatiza e traz esta impotência ao corpo", afirma a psicóloga e terapeuta de casais Eliete de Medeiros.
Eliete diz que é necessário tratar o foco do problema emocional, pois somente assim o tratamento será eficaz. "Primeiro devemos investigar para identificarmos a causa da impotência sexual, diagnosticar o sofrimento psicológico que se reflete no físico. Daí, precisamos trazer a causa de fundo emocional para a consciência dele", explica a psicóloga.
E se a DE for originada por causas orgânicas, o tratamento pode ser por meio de medicamentos orais, por injeções no próprio pênis ou por procedimento cirúrgico. "Os remédios, a exemplo do Viagra, são indicados para quem tem a libido mas enfrenta dificuldade de ereção", afirma Samuel Saiovici.
Já se o caso for mais grave, uma boa saída é o implante de próteses, que podem ser maleáveis ou infláveis. As primeiras são feitas de silicone e possuem uma haste metálica no seu interior, enquanto as infláveis são acionadas por uma espécie de bomba com mecanismo hidráulico. Ambas são colocadas no pênis só com cirurgia.
Seja a disfunção erétil moderada ou avançada, ela pode ser completamente revertida. A DE tem cura sim, só depende do amadurecimento emocional do paciente", finaliza o urologista Mario Dantas.

Guia do pênis

Atenção: Esta matéria contém teor sexual e é imprópria para menores de 18 anos.
Saiba tudo sobre ereção, ejaculação e orgasmo e mate todas suas dúvidas...
Para atingirmos o máximo do prazer na hora do sexo, precisamos conhecer muito bem nosso corpo. E para levar o parceiro à loucura, também é muito importante entender como ele reage aos estímulos sexuais e como gosta de receber carícias. Para te ajudar na missão de pirar a cabeça do seu parceiro, elaboramos um guia para te ensinar tim-tim por tim-tim o que se passa dentro de uma cueca.

O documento – a polêmica sobre o tamanho do pênis é interminável. Especialistas garantem que um sexo bem feito não depende só dos centímetros que o órgão possui, mas sim da capacidade de dar prazer à mulher – e isso, a gente sabe, não depende só da penetração. Entretanto, para os homens isso é motivo de muita preocupação e até de disputa. Tirando os casos extremos – muito grandes ou muito pequenos – o tamanho médio do brasileiro varia de 11 a 13 centímetros ereto.
Eles preferem o quente – Já ouviu dizer que o pênis encolhe no frio? É verdade. “O que acontece é que o músculo cremaster, que fica dentro do escroto (saco, popularmente), se contrai para aproximar os testículos do tronco e aquecê-los”, explica o urologista Dr. Orestes Mazzariol. Isso faz com que o homem veja o seu amigão bem menor do que o normal.
Ereção fácil – Ficar excitado é quase inevitável para o homem. Qualquer estímulo pode desencadear uma ereção. Ver uma mulher bonita, ouvir algumas palavras picantes, sentir um perfume bom, entre outras situações, já é o suficiente para deixar o pênis duro e ereto. Viu só?! Aproveite, já que não precisa de muito para que ele esteja a postos para se divertir!
Cada área uma sensação – Meninas, o grande segredo para dar mais prazer ao homem é entender direitinho o que eles sentem em cada parte do órgão sexual. A principal dica é: a cabeça (glande) é a área mais sensível, onde eles percebem todos os estímulos feitos por cada parte do seu corpo. Mas não abandone o tronco do pênis, aposte sempre nos movimentos para cima e para baixo nessa área, dando sempre uma voltinha pela glande. Fazendo tudo com carinho com velocidade progressiva, será capaz de levá-lo à loucura. Ah, não se esqueça que existem outros pontos de prazer para o homem. Alguns adoram carícias no períneo e nos testículos. “Tudo isso acontece por conta da alta concentração de nervos nessas regiões. Eles se cruzam e se confundem, causando grande excitação quando estimulados”, afirma Dr. Mazzariol.
O desafio: segurar a ereção – Talvez a segunda maior preocupação do homem – depois do tamanho – é por quanto tempo ele consegue manter o pênis ereto. É uma questão de honra. Ficar muito tempo com o órgão duro é sinal de virilidade e eles são loucos para mostrar isso e garantir o prazer da mulher por tempo prolongado. E você sabe como eles fazem para aguentar e evitar a ejaculação? “Existem duas práticas comuns entre os homens. Uma consiste em desviar o pensamento quando estiver perto de ejacular, a fim de mudar o foco do prazer para algo que não o faça continuar com a excitação. Outra é quando param os estímulos e, com os dedos, apertam logo abaixo da cabeça do pênis para contrair os vasos sanguíneos da região e manter o pênis duro por mais tempo”, esclarece o urologista.
Brochar: o grande trauma – Nenhum homem conta se já brochou alguma vez na vida. Isso porque o assunto é superconstrangedor para eles, que não gostam de se sentir impotentes. A verdade é que podem ser muitas as causas para isso acontecer. Pode ser reflexo de alguma doença – nas artérias, colesterol, diabetes, entre outras – ou apenas fator psicológico. A dica do urologista Dr. Orestes Mazzariol é tentar ser compreensiva e apoiar o homem. “Mesmo se a falta de ereção for por conta de uma doença, o psicológico conta muito. A confiança é tudo para o homem e é capaz de fazê-lo superar esse problema”, indica.
Ejaculação x orgasmo – Quando o pênis expele o sêmem, a maioria das mulheres acredita que foi esse o sinal de que o parceiro atingiu o orgasmo, mas não é exatamente assim. Eles vêm juntos, na maioria dos casos, mas não são a mesma coisa. Alguns homens são capazes de sentir prazer sem ejacular, enquanto outros até ejaculam, mas não chegam ao orgasmo. Se quiser entender melhor o que acontece, nós já te contamos aqui
De manhã o sexo é melhor – Depois de uma boa noite de sono, já notou que o parceiro sempre acorda com um apetite ainda maior para fazer sexo? Isso tem explicação!  A testosterona, que está diretamente relacionada ao desejo sexual e é quem habilita a ereção, é produzida durante a noite, tendo seu pico entre 8 e 11 horas da manhã. Por isso eles sempre acordam bem dispostos para mais um pouquinho de diversão.

O dedo e a personalidade

Foto de Blog da Mimis.

Você sabia que o comprimento dos dedos de suas mãos podem revelar coisas sobre sua personalidade?
Nesta foto três tipos de comprimento dos dedos, A, B e C. Confira os dedos e descubra o significado:
A) Diz-se que as pessoas em que o dedo anelar é mais longo do que o dedo indicador são muitas vezes bonitos e atraentes. Irradiam charme e são irresistíveis. Eles são mais agressivos e decisivos e não têm nenhum problema em correr riscos. Os cientistas descobriram que as pessoas com dedos anelares mais longos ganham mais do que aqueles com dedos anelares mais curtos.
B) As pessoas com dedos anelares mais curtos do que os dedos indicadores têm grande confiança em si mesmos, podem até tornarem-se arrogantes. Desfrutam da solidão e não gostam de ser perturbados nos seus tempos livres. Eles não são o tipo de pessoa de dar o primeiro passo quando se trata de relacionamentos, mas de aceitar e apreciar o cuidado que recebem.
C) Aqueles que o comprimento do dedo anelar e o dedo indicador são iguais, são amantes da paz, e sentem-se desconfortáveis quando estão em conflito. Eles são pessoas organizadas e tentam se dar bem com todos, são pessoas que tendem a ser fieis num relacionamento cheio de ternura e carinho para com os seus parceiros.
O meu é o A, e o de vocês?