segunda-feira, 28 de setembro de 2015

DICAS PARA INSÔNIA

Estas orientações podem ajudar você a ter melhor qualidade do sono, independentemente do problema apresentado.

1. Procure deitar e levantar em horários regulares todas as noites.

2. Vá para a cama somente quando estiver sonolento, com sono.

3. Não use a cama para leitura, ver televisão ou alimentar-se.
Prefira a sala de estar ou outro ambiente. A cama deve estar relacionada com o ato de dormir.

4. Evite ficar na cama sem dormir. Caso seja necessário, levanta e faça uma atividade calma até ficar sonolento. Ficar na cama rolando de um lado para outro gera estresse e piora a insônia.

5. Estabeleça um ritual de relaxamento antes de se deitar como um banho quente, diminuir a luminosidade do quarto enquanto se prepara para deitar.

6. Evite o uso do álcool e de cafeína pelo menos 6 horas antes do seu horário de dormir.

7. Não se alimente próximo ao horário de dormir.

8. Evite cochilos durante o dia - eles atrapalham seu sono à noite.

9. Procure ocupar-se durante o dia, evitando o ócio.

10. Faça atividades físicas regularmente, porém evite excessos fortes no final do dia. Prefira os períodos da manhã ou almoço.No final do dia, os exercícios precisam ser mais leves como alongamento ou caminhadas pelo menos 4 horas antes de dormir.


Algumas pessoas naturalmente dormem menos que outras. Isto não significa ter insônia.


Fonte: Associação Brasileira do Sono. www.sbsono.com.br

O PERIGOSO FLERTE COM AS DROGAS NA ADOLESCÊNCIA


Na fase em que a curiosidade aproxima o jovem das drogas, o diálogo franco é o melhor caminho para que ele entenda por que dizer "não"

De repente, nosso grupo de amigos se junta e alguém diz -vamos beber tequila!. Aí, vai toda a galera. Cada um toma pelo menos um shot (dose). É normal, todo mundo bebe quando sai. A naturalidade com que Sophia, 15 anos, se refere ao consumo de álcool não é uma exceção entre os jovens brasileiros. Segundo um levantamento do Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (Cebrid) com estudantes de escolas públicas com idade entre 10 e 18 anos, 65,2% dos entrevistados já experimentaram bebida alcoólica. Outros 5,9% fumaram maconha e 15,5% usaram solventes, de acetona a lança-perfume. Os números não deixam dúvida: as drogas fazem parte do universo jovem. A relação com elas é constante e, por vezes, ocorre dentro dos muros da escola. Não adianta fingir que o assunto não existe - ou, o que é comum, se livrar dele pela via da expulsão. O tema exige ação.

Mas o que fazer? Pesquisas recentes têm demonstrado que apostar na repressão pura e simples não costuma dar bons resultados. Em vez disso, é melhor compreender a relação dos jovens com as drogas. Entender por que o contato com essas substâncias se intensifica na adolescência é a primeira providência.

De início, é preciso explicar que a atração pelos entorpecentes tem um forte componente biológico. A principal razão é que o chamado sistema inibitório, a área do cérebro responsável pela ponderação das atitudes, ainda está se desenvolvendo durante a adolescência. A dificuldade de dizer "não", por sua vez, abre caminho para o estímulo do sistema dopaminérgico, relacionado à busca de recompensa. As substâncias psicotrópicas agem justamente sobre essa estrutura, influenciando a produção de hormônios responsáveis pela sensação de prazer.

A equação, entretanto, não está completa. Além dos fatores fisiológicos, o ambiente em que os jovens se situam pode aproximá-los das drogas. Mas é um erro acreditar que os de famílias pobres ou "desestruturadas" são os mais propensos ao consumo. Pesquisas apontam que os maiores índices de contato com entorpecentes se dão com adolescentes das camadas médias da população.

O certo é que características típicas da faixa etária (e que independem de classe, gênero e etnia) podem, sim, levar ao consumo. A curiosidade é uma delas. O desejo de transgredir é outra, como mostra a fala de Vicente*, 16 anos (leia o destaque acima). "A proibição é tomada pelos adolescentes como uma posição autoritária, decidida por adultos que não entendem suas condições de vida. Daí vem o embate com as regras", diz Eduardo Ely Mendes Ribeiro, antropólogo e psicanalista da Associação Psicanalítica de Porto Alegre.

Também é necessário ter um olhar atento para distinguir as diferentes relações que a garotada estabelece com as drogas. Muitas vezes, pais e professores tendem a classificar toda relação com entorpecentes como um vício, o que está longe de ser um retrato fiel. Há pelo menos três comportamentos: o uso esporádico (experimentação que acontece uma ou poucas vezes), o abuso (também ocasional, mas excessivo, como a atitude de beber "até cair") e o vício (esse, sim, marcado pelo uso constante. É o menos comum entre os adolescentes).

"Como são múltiplas as razões que levam ao vício - genética, ambiente e o próprio poder da substância -, não há como saber se alguém que experimenta uma droga nunca mais o fará, se fará isso de vez em quando ou sempre", explica Fernanda Gonçalves Moreira, especialista no tema e doutora em Psiquiatria pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Levar os alunos a refletir sobre essa perigosa incerteza, apontando que as consequências são para o resto da vida, é uma das maneiras de incentivar escolhas mais conscientes.

A reflexão, aliás, infelizmente não tem sido a palavra de ordem quando se fala de drogas na escola. Ao investigar o assunto em sua tese de doutorado, Fernanda descobriu que as principais intervenções são campanhas baseadas apenas na criminalização, com pouca ou nenhuma abertura ao debate franco. "Sondagens realizadas em diversos países indicam que medidas como palestras realizadas por agentes de segurança, por exemplo, têm eficácia muito reduzida na inibição ao consumo", observa.



Fonte: Publicado em NOVA ESCOLA, Edição 234, Agosto 2010, com o título Flerte perigoso O perigoso flerte com as drogas na adolescência