domingo, 2 de julho de 2017

MUDAR PARA MELHOR BRASIL

É comum ouvirmos, quase como algo da ordem do senso comum, que estamos vivendo um momento tumultuado dentro da era da informação e do conhecimento. Também ouvimos que, para conseguirmos nos livrar de toda a corrupção precisamos de pessoas que sejam capazes de pensar de forma crítica e ao mesmo tempo colaborativa. Não há como negar que isso tudo seja verdade. Então minha proposta é nos manifestarmos de maneira coesa, o BRASIL como um todo, sem adereços e sem bandeiras políticas ou sindicais, usaremos uma cor de revolta, porque não todos de preto e cara pintada ? mas sem bandeiras politicas ou sindicais. Se é fato que vivemos na era da informação podemos fazer partilhar e escolhemos um dia comum, e faremos em dois momentos um deles em cada cidade grande ou pequena, e em segundo momento todos marchamos ao planalto central. Se é verdade que possuímos conhecimento e ele é fundamental para que todos nós consigamos fazer uma manifestação única, uma manifestação brasileira, afinal nossas vidas estão intimamente ligadas,eles estão fodendo a todos, e precisamos dar a resposta, e urgentemente. Esta é minha proposta e que torna-se um desafio, reestruturar a nossa bandeira que foi rasgada por estes que roubam e se protegem no poder.

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Com as formigas entendi a Deus




    Por D. Brígido

Tudo bem se você acredita que somos filhos de uma grande explosão cósmica que ocorreu há cerca de 15 bilhões de anos. E tudo bem se você acha que todos os seres vivos evoluíram de organismos similares a bactérias, que viviam nos mares primitivos. Sério, tudo bem mesmo.Esqueça tudo o que os livros – inclusive os sagrados – dizem sobre a criação, sobre as deidades, os profetas, apóstolos e santos. Pode se convencer de que nada disso existe, se você preferir, se você for daqueles céticos, que só creem no que podem ver.
Até agora a ciência não conseguiu responder com precisão este que é o maior questionamento da humanidade: de onde viemos? Talvez nunca saibamos, então, tudo bem se você acha que algo explodiu e bum – fez-se a vida. A questão é se você já pensou que para que algo tenha explodido era preciso que esse algo já existisse. E que para termos evoluído de uma calda morna de bactérias, estas precisariam ter surgido de algum processo também preexistente. Puts! Voltamos ao zero – ou ao ‘não zero’.
Desde os primórdios, todas as sociedades tentam explicar o surgimento do mundo e das espécies. E talvez todas tenham encontrado respostas nas religiões, afinal aquilo que a ciência não explica, precisa ter alguma explicação – ainda que sobrenatural. E tudo bem se você acha que Maomé, Jesus e Buda são apenas personagens simpáticos de uma história mal contada. E que Adão e Eva jamais tenham existido no tal paraíso. Tudo bem, sério!
Esqueça tudo o que os livros – inclusive os sagrados – dizem sobre a criação, sobre as deidades, os profetas, apóstolos e santos. Pode se convencer de que nada disso existe, se você preferir, se você for daqueles céticos, que só creem no que podem ver. Mas olhe a sua volta e certamente irá perceber que a grande maioria das coisas não tem uma explicação convincente baseada na ciência.
E as sementes que guardam em seus minúsculos corpos material orgânico que ao encontrar a terra, a água e a luz revelam frondosas árvores, que dão os frutos que alimentarão animais, responsáveis por fazer este ciclo recomeçar? E os animais que, mesmo sem a complexidade do organismo humano, rendem-se ao amor e tornam-se nossos verdadeiros companheiros?Tudo o que não é criação do homem, é da Natureza – com letra maiúscula porque aí está implícita uma força superior com a qual já nos habituamos a conviver e por isso não questionamos. Você já parou pra pensar o quão complexo é o corpo humano, que entende, por exemplo, que precisamos continuar respirando ainda que estejamos dormindo? E que produz os sonhos, baseados em experiências armazenadas em nossa mente, sejam elas físicas ou espirituais (conforme sua crença). Ou ainda que nos remete aos longíquos tempos da infância, quando sentimos um aroma familiar?
O que explica as propriedades curativas de centenas ou milhares de plantas encontradas espontaneamente na natureza? E a importância de cada inseto que para nós parece insignificante? O equilíbrio da formiga que carrega folhas muito maiores que seu corpo? Como seria a Terra hoje se os primitivos dinossauros não tivessem sido extintos para que espécies mais evoluídas povoassem o planeta?
O que dizer das paisagens de tirar o fôlego que encontramos no mundo inteiro e dos espetáculos protagonizados pelos pores de sol ou ainda do encantamento que nos despertam os arco-íris? Os mais céticos dirão que nada mais são que processos físico-químicos, resultados do encontro da luz com a água ou coisa do gênero. Tudo bem, mas de onde vieram os elementos que definiriam que a cor azul seria azul?
E aquele calor no coração que sentimos quando encontramos alguém muito querido ou o frio na espinha quando passamos por um lugar ermo? Você saberia explicar por que algumas coisas nos emocionam bem mais que outras? Aquela lágrima que surge antes mesmo do pensamento? E aquela voz no ouvido que insiste em dizer pra você não sair de casa?
Olhe para um bebê recém-nascido e pense em cada transformação pela qual ele passará. Pense em todo o processo – não físico – por que ele passou até chegar àquele ventre. É tudo perfeito demais para ser explicado pela ciência – do início ao fim. Principalmente porque a ciência foi inventada pelo homem. E antes dela, como era? O fato é que era!
Muitas coisas não são explicadas pela racionalidade, mas precisam ter uma explicação, uma origem. A ciência deixa muitas lacunas ao tentar justificar a maravilha que é esta experiência. Nada na vida ‘é, e pronto!’. Há uma causa maior e a vida continuará nos surpreendendo. Precisamos desligar o piloto automático da nossa existência e aprender a contemplar aquilo que aparentemente não tem explicação. Precisamos aprender a sentir Deus em cada instante das nossas vidas.
Tudo bem se a imagem que fazemos de Deus é muito fantasiosa pra você, é que as religiões o personificaram para facilitar nossa aceitação. O fato é que Ele está lá, em algum lugar, regendo esta grande e perfeita orquestra que é o mundo. E tudo bem se você não sabe dizer de onde Ele surgiu, já que tudo surgiu Dele. Tudo bem, mesmo!

O que você tem para dar ?


CADA UM DÁ O QUE TEM: NÃO ESPERE CERTAS ATITUDES DE DETERMINADAS PESSOAS



Talvez, uma das maiores fontes de decepção na vida , seja esperar dos outros aquilo que eles não podem fazer. Criamos expectativas em relação às pessoas, muitas vezes, baseados em nós mesmos, naquilo que somos capazes de realizar e sentir.Quem já não se pegou terrivelmente irritado por causa de um tique nervoso do parceiro ou por excesso de barulho num ambiente público? Quantos homens não ficam furiosos com mulheres que ganham um pouco de peso, mas não se importam de namorar ou morar junto com mulheres manipuladoras ou exageradamente egoístas ? Quantas mulheres não aceitam maridos violentos ou que possuem um vício grave , mas não suportam homens pouco galantes?
Mas nem todo mundo pensa , sente e age como nós. Nem sempre aquilo que nos faz feliz, torna as pessoas felizes. Algumas atitudes que consideramos muito graves são simples e banais gafes para outras pessoas. Temos tolerâncias diferenciadas para determinadas faltas. Algumas vezes, perdoamos facilmente atitudes consideradas graves pela sociedade e nos incomodamos profundamente com coisas pequenas para a maioria das pessoas.
Quem já não se pegou terrivelmente irritado por causa de um tique nervoso do parceiro ou por excesso de barulho num ambiente público? Quantos homens não ficam furiosos com mulheres que ganham um pouco de peso, mas não se importam de namorar ou morar junto com mulheres manipuladoras ou exageradamente egoístas ?
Quantas mulheres não aceitam maridos violentos ou que possuem um vício grave , mas não suportam homens pouco galantes?Sim, cada um tem as suas medidas e confere pesos diferentes a certas atitudes e padrões comportamentais. Enfim, esperar por aquilo que o outro não pode oferecer por simplesmente não possuir , é perda de tempo e fonte constante de decepção.
Ok.Ok.Ok. Falar é fácil, eu sei. O problema é colocar na prática esta teoria. Quando estamos em relacionamentos afetivos , tanto amorosos como de amizade, é muito complicado não criar expectativas. É muito complicado não desejar que as pessoas amadas mudem por nós. Embora saibamos que ninguém muda por ninguém ( as pessoas no máximo pegam mais leve em algumas manias) continuamos nos digladiando internamente com a expectativa de que o outro pode se moldar a nós.
Por mais maravilhosas que sejam algumas pessoas , elas não são capazes de fazer e demonstrar tudo o que gostaríamos. Algumas pessoas têm mais dificuldade para expressar os sentimentos. Outras não conseguem se doar tanto nas relações mesmo amando. Existem aqueles, que apesar de muito corretos, carecem de um toque de doçura. Existem aqueles que mesmo querendo bem ao parceiro, não conseguem evitar relações sexuais com outras pessoas. Quem conhece a história de amor entre Frida Khalo e Diego Rivera entende o que eu estou falando.
Mas obviamente, ninguém vai conseguir encontrar alguém completamente compatível. Por mais afinidades que existam entre dois parceiros amorosos ou dois amigos, algumas diferenças e discordâncias sempre existirão. É preciso aprender a se adaptar a elas. Não, não é fácil. Mas é possível com uma boa dose de generosidade e diplomacia.Enfim, se não suporto infidelidade , não posso me relacionar com alguém que não se contenta com uma única parceira sexual. Se não suporto ciúmes, não devo me relacionar com alguém muito ciumento. Se não suporto a carência total de ciúmes, não devo namorar quem me deixa completamente livre para fazer o que desejo. Se necessito de romantismo, devo buscar alguém que se expresse afetivamente e por aí vai. Os exemplos são múltiplos. Por isso, sempre reforço em meus textos, a importância de relacionar-se com pessoas compatíveis a nós.
E talvez o mais importante: é preciso realmente querer relacionar-se. Quando o desejo de compartilhar e estar junto falar mais alto para as duas partes ( quando apenas um dos parceiros flexiona , os resultados costumam ser muito negativos) as expectativas perderão muito da sua força , dando lugar para uma maior aceitação.

Pessoas tóxicas existem.



 Deixe ficar quem te ama e respeita



Diferente dos produtos tóxicos que trazem uma identificação bastante chamativa para o não consumo e uso, uma pessoa tóxica não vem com um alerta, e isso pode ser bastante desastroso, resultando em prejuízos emocionais e energéticos.Muito provavelmente você já teve uma uma experiência com uma pessoa conhecida como “tóxica”!
Geralmente, a constatação do nível de toxidade da pessoa leva um tempo, mas a vida vai ensinando a se abrir para esta percepção.
Há uma quantidade de características de pessoas tóxicas, as mais conhecidas são: as invejosas, possessivas, ciumentas, autoritárias, pessimista e as manipuladoras.
Realmente é triste existir tal condição e rótulo para uma pessoa, mas o fato é que elas existem e é preciso muita inteligência para lidar com elas e com as situações que elas criam, pois trazem dor e sofrimento.
Se for pra dar um conselho, o melhor deles seria : Não dê a elas tanta importância. Ao fazer isso, tira-se o poder dado a elas, pois é disso de que precisam. Tudo aquilo que você dá atenção, você empodera, então é melhor desconectar e evitar criar polêmicas.
Elas podem parecer bastante encantadoras e usam até mesmo de subterfúgio para serem aceitas.
É bom ter cuidado ao falar da vida pessoal para uma pessoa tóxica, pois não há interesse real de cuidado e confiança. Melhor filtrar as palavras e se reservar.
Uma outra característica das pessoa tóxicas é que elas também são vítimas, mas delas mesmas. Elas acham que tudo de errado que acontece com elas é culpa de alguma pessoa ou situação, e jamais conseguem assumir as responsabilidades por suas atitudes. Nesse sentindo, elas mentem e não tem o menor remorso por isso, na verdade elas não tem consciência , pois como precisam se convencer do que estão dizendo para se sentirem melhor, não poupam palavras e situações embaraçosas.

Diagnosticar uma pessoa tóxica é fundamental e requer sensibilidade e uma certa experiência de vida.Elas podem estar mentalmente doentes, quem sabe vivendo suas faltas ou excessos, mas de fato é preciso encarar seus comportamentos e como eles refletem em prejuízos para si e para outros.
Para não correr em prejuízos e dissabores, se afastar é o melhor remédio. Desejar o bem e querer isso da pessoa de verdade pode até mesmo fazer com que ela se afaste de você, pois não há nada que ela possa fazer pelo seu gesto de bondade. É possível que elas não saibam como agir diante disso. Como não é possível controlar o que o outro pensa ou faz, reagir negativamente não faz o menor sentido.
Ser seletivo não é questão de orgulho mas de liberdade de escolher as pessoas que se deseja relacionar. Purificar os relacionamentos é permitir que fique de fato quem te ama e respeita.
Bondade não significa aceitação incondicional, aliás onde há total aceitação há submissão e falta de valores.
Aos tóxicos, envie uma cartinha mental de amor e luz – feche os olhos, coloque-os em seu pensamentos e vibre palavras de amor e harmonia. Diga o que sente e envolva-os em luz.
A onda mental é segura, discreta e eficaz.
No mais, deixe ficar quem soma. Siga o seu coração.

Curar as feridas do pai ausente






boy sitting on the windowsill and hugs his teddy bear
Falar de família às vezes cutuca certas feridas, frustrações e pequenos rancores. De fato, poderíamos dizer sem sombra de dúvida que uma das figuras mais complexas e que surgem com maior frequência é a do “pai ausente”.Todos sabemos o quão difícil pode ser definir o termo família. Integramos nesta dimensão aqueles que compartilham o nosso mesmo sangue? Ou as pessoas que escolhemos livremente e com quem construímos vínculos positivos e significativos?
O pai ausente não é só o vazio físico de uma figura que não tivemos; às vezes, é também alguém que “mesmo estando” não soube ou não quis exercer o seu papel. É uma ausência psicológica capaz de criar em uma criança diversas feridas emocionais.
É muito possível que esta situação lhe seja conhecida. Que você a tenha vivido na própria pele ou que a tenha observado no seu círculo social mais próximo.
Às vezes, quando pedimos para alguém falar da sua família, não vacilam em dar mil histórias das suas mães, avós, tios, entretanto, na hora de falar do seu pai, o sorriso fica forçado e aparece o silêncio. Os ombros se encolhem e titubeiam um…
“Não sei, meu pai era… era simplesmente ele. Estava ali, sem mais”.
Não queremos dizer que este tipo de vazio emocional seja característico exclusivamente da figura paterna, também pode acontecer com a figura materna, contudo, é muito comum que na hora de falar desse tipo de educação prejudicial, capaz de deixar marcas de amadurecimento, a figura do pai ausente esteja presente.
Convidamos você a se aprofundar um pouco mais nesta reflexão.

O pai ausente emocionalmente, mas presente na família

Crescer sem pai, sem mãe ou sem uma figura relevante na infância em função de um fato traumático é algo que sempre carregaremos, e que deixa cicatrizes internas que procuramos superar.
Contudo, o fato de crescer junto a uma figura paterna que, apesar de estar, é incapaz de contribuir com plenitude, carinho ou reconhecimento, deixa correntes de vazio no coração de uma criança que está aprendendo a construir o seu mundo.
Há quem diga que o peso da criação, do cuidado e da educação recai sobre a figura materna. Não se pode negar a sua importância na hora de criar esse carinho saudável com o qual dar segurança a cada um dos nossos passos.
Agora, o pai também é importante neste processo, e isso é algo que ninguém pode negar; mas… o que acontece quando no seio familiar existe um pai ausente que não estabelece vínculo algum com seus filhos?
– O cérebro de uma criança é um ávido processador de estímulos, e no seu dia a dia precisa de estímulos positivos para poder crescer de forma madura e segura.
– Um pai ausente produz incongruências, vazios e dificuldades no contato com os outros. A criança espera carinho, comunicação e uma interação diária com a qual se abrir ao mundo também através do seu pai. Contudo, só encontra muralhas.
– Um trato vazio e esquivo gera ansiedade nas crianças, não sabem “a que se apegar”, desenvolvem expectativas que não se cumprem, e tendem além disso, a comparar “pais alheios” aos que eles têm em casa. Sabem que os pais dos seus amigos agem de modo diferente do seu.
Que consequências a figura do pai ausente provoca na idade adulta?

Gera um desapego afetivo que torna a pessoa mais insegura na hora de estabelecer determinadas relações, podendo chegar a ser um tanto desconfiado. A ideia de projetar uma alta carga afetiva em alguém provoca medo, temor de ser traído ou não reconhecido. Ou ainda pior, ser ignorado.
A medida que crescemos, é muito provável que ganhemos consciência de muitas outras coisas. O esforço que a mãe fez para suprir as carências do pai ausente é reconhecido, e também se entende como mais de uma vez ela se desculpou com frases como…
“Você já sabe como é o seu pai”, “Não faça isso que você já sabe que o seu pai não gosta”, “É que você não o entende…”
A medida que amadurecemos, nossos olhos se abrem ao mundo e passam a ler as entrelinhas. Os gigantes viram anões porque já conhecemos os seus segredos. Contudo, uma parte de nós continua sendo vulnerável a esse passado.
Como superar as feridas do pai ausente
Você cresceu, paga suas contas, leva com orgulho a sua armadura inquebrável e sabe muito bem o que deve fazer atualmente para não cometer os mesmos erros que os seus pais cometeram com você.
Contudo, o vazio do pai ausente continua ali, e não importa se no presente você continua se relacionando com ele, ou se ele já se foi, ou se você se cala nas reuniões familiares e age como se o passado nunca tivesse existido.
A primeira coisa que deveríamos fazer é “entender”. Compreenda que o pai ausente é um homem que não soube exercer o seu papel de pai, porque nunca entendeu muito bem o seu papel como pessoa.
É muito provável que não tivesse as habilidades pessoais adequadas, uma boa autoestima, equilíbrio interior que lhe permitisse ver seus erros, seus medos e suas próprias carências.
Agora, isto justifica o que ele lhe causou? O vazio emocional que lhe deixou? Claro que não, mas a compreensão nos ajuda a nos adequar à realidade, a evitar armazenar mais emoções negativas.
– Você sabe que cresceu e amadureceu com muitos vazios por causa desse tipo de educação e dessas carências afetivas. Contudo, sempre chega o momento em que deveríamos cortar o vínculo com o sofrimento de ontem, para curar as feridas neste presente.
– Se você não teve a presença do seu pai, o mais provável é que a sua figura de carinho mais saudável e representativa fosse outra: a sua mãe, os seus avós ou inclusive os seus amigos ou companheiros conforme você crescia. Foram eles que se tornaram os seus pilares no dia a dia.

A sua família autêntica. A que importa de verdade.
Um pai não é apenas o que dá a vida, um pai é aquele que está presente, que acolhe, cuida e guia em segurança construindo cada dia um caminho de momentos significativos na vida de uma criança.

domingo, 23 de abril de 2017

Receita de chocolate quente cremoso pelo Poetha ...

Receita de chocolate quente cremoso pelo Poetha ...

Ingredientes
2 xícaras (chá) de leite
1 colher (sopa) de amido de milho
3 colheres (sopa) de chocolate em pó
4 colheres (sopa) de açúcar
1 caixinha de creme de leite

.Modo de preparo:
Em um liquidificador, bata o leite, amido com o chocolate em pó e o açúcar. Despeje em uma panela e leve ao fogo baixo, mexendo sempre até ferver. Desligue, adicione o creme de leite e mexa bem até ficar homogêneo. Dica: Retire a canela e sirva quente.

quarta-feira, 12 de abril de 2017

A homoafetividade e a aceitação


Já foi considerada crime e castigada, depois passou a ser

entendida como uma doença que precisava de tratamento.

Até os anos 70, a grande maioria dos estudiosos acreditava

que a homoafetividade ou homossexualidade era um

desvio da orientação sexual provocado pela perturbação do

desenvolvimento psico-sexual no processo de identificação

infantil. Por conta de tal afirmação e do poder exercido por

ela, tais idéias repressivas tiveram uma grande repercussão.



Foi somente na década de 90 que o DSM-IV (Manual

Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais,

utilizado pela classe médica) retirou a homossexualidade

da condição de distúrbio mental. Alguns anos depois, a OMS

(Organização Mundial de Saúde) trocou o termo homossexualismo por homossexualidade, deixando também de considerá-la uma doença.

Somente após os anos 90, a Organização Mundial da Saúde deixou de considerar que a homossexualidade é uma doença.



De todas as teorias existentes que tentam dar conta sobre as

razões da homossexualidade, o que se tem certeza é que

ninguém opta por ser homossexual, assim, não se pode alterar

a orientação a qualquer tempo, como se fosse um vício a ser

abandonado. Tal condição não se modifica, assim como não

existem remédios ou terapias de reversão dos sentimentos ou

emoções homossexuais. A homoafetividade é uma expressão

natural da sexualidade humana, mas por termos como base

social uma família nuclear heterossexual, muitos ainda se

sentem desconfortáveis e acabam por discriminar tal escolha.

Muitos homossexuais percebem desde cedo que seu interesse

está direcionado a pessoas do mesmo sexo, outros só descobrem

mais tarde o que tais sentimentos querem dizer. E ainda há aqueles,

que apesar de se perceberem ‘diferentes’ da maioria, vivem uma

vida encoberta, sem se admitirem homossexuais, ainda que sintam

desejo por pessoas do mesmo sexo.



Homoafetividade e aceitação



Os altos valores negativos carregados em relação a tal orientação,

dificultam não só a aceitação das diferenças como a auto-aceitação.

Assim, o medo em não ser aceito faz com que muitos tentem

negar o próprio sentimento, abafado por sensações como culpa,

vergonha e medo.

A sociedade tem aprendido a respeitar tais relações através da

sua educação onde é possível tratar a homossexualidade de

uma forma menos estereotipada e preconceituosa, com aceitação

e apoio. Assim, mais importante do que buscar suas causas é

compreender que a homossexualidade não é nenhum comportamento

negativo. Os direitos deles não passam pela atitude certa ou errada

mas por merecem respeito acima de tudo.

A matriz dos relacionamentos deve estar calcada no amor,

companheirismo e aceitação e não em pares de diferentes sexos.

Independente da orientação sexual, são pessoas que amam,

e por amor não se quer dizer somente sexo, mas desejo de

intimidade, afeto e acolhimento.

Desfazendo os mitos sobre penis

Desfazendo mitos sobre o pênis


Você acha que tem pênis pequeno ou isso é imaginação? O comprimento do pênis importa mais para o homem do que para a mulher, de acordo com um novo estudo que faz uma revisão de mais de 60 anos de pesquisas e derruba inúmeros mitos sexuais. Está na adolescência e se preocupa com o tamanho do seu pênis?Veja o que os pesquisadores tem a dizer sobre isso e fique mais tranquilo.

Aproximadamente 90% das mulheres em realidade preferem pênis grosso(mais largos) do que pênis comprido, de acordo com dois novos estudos incluídos na revisão. 85% das mulheres manifestaram estar satisfeitas com o tamanho do pênis de seus companheiros, comparado com apenas 55% dos homens e seus próprios órgãos.

A revisão, conduzida pelos Drs Kevan Wylie e Ian Eardley da Porterback Clinic e no Royal Hallamshire Hospital na cidade de Leeds, Reino Unido, combinam resultados de mais de 50 projetos internacionais pesquisaram o tamanho peniano e síndrome do pênis pequeno (SPP) conduzidas desde 1942.
“A questão de atratividade para as mulheres é complexa, mas a maior parte dos dados sugere que o tamanho do pênis está mais ao final da lista de prioridadespara as elas do que questões da personalidade masculina e aparência externa” escreveram os pesquisadores.

Entre os resultados de 12 estudos relevantes, a revisão, que foi detalhada no British Journal of Urology International, descobriu que o pênis ereto médio mede entre 14 e 15,7 cm e uma circunferência média de 12 a 13 cm.

Mitos penianos

As descobertas também acabam com outros mitos sobre a genitália masculina. A ideia de que o tamanho peniano varia de acordo com a raça (que negros teriam pênis grande e japoneses pênis pequeno), por exemplo, é falsa.

Outro mito que se repete normalmente é de que homens mais velhos possuem um pênis menor, mas Wylie e Eardley não encontraram diferenças quando combinaram os resultados de todos os estudos juntos.
Outra descoberta surpreendente foi de que a síndrome do pênis pequeno (SPP), também conhecida como “a síndrome do vestiário”, é muito mais comum em homens com pênis de tamanho normal do que com aqueles que possuem os chamados micro pênis(órgãos com o comprimento flácido menores do que 6,85 cm). Uma pesquisa realizada via internet com mais de 52 mil homens heterossexuais descobriu que 12% pensavam que seus pênis eram muito pequenos, mesmo que micro pênis atinja apenas 0,6% dos homens.

Um estudo sugere que a Síndrome do Pênis Pequeno comumente começa na infância. 63% dos homens com o problema disseram que suas ansiedades começaram em comparações de pênis nas primeiras idades, comumente com um irmão mais velho ou seus pais, enquanto 37% culpou imagens eróticas vistas durante o começo da adolescência.

Aumento de pênis

Pênis grande é uma obsessão para muitos homens. A indústria dos acessórios para aumentar o tamanho do pênis se aproveita dessa fragilidade masculina.
A revisão também apoia estudos recentes que descobriram que os dispositivos para aumentar o pênis raramente cumprem suas promessas, mas podem, em alguns casos, dar um “efeito de apoio psicológico”.

Os autores tomam uma posição tipo: “espere para descobrir” no caso de cirurgia de aumento peniano, que pode incluir todos os processos desde separação parcial dos ligamentos no pênis para que fique mais longo até injeção de gordura para aumentar sua circunferência. Um dos procedimentos de cirurgia de aumento do pênis mais radicais envolve cortar o pênis completamente e inserir um pedaço de cartilagem no mesmo antes de suturá-lo novamente. “Enquanto a informação está começando a emergir sobre o sucesso de algumas técnicas cirúrgicas, isso não é reforçado pelos dados dos pacientes sobre a satisfação com tais procedimentos”, disse Wylie.

Os pesquisadores apontam alguns métodos antigos e verdadeiros de aumento peniano, mas eles não são mais confortáveis. Ascetas hindus, por exemplo, usam pesos para aumentar o comprimento de seus pênis enquanto umatribo brasileira encoraja cobras venenosas a picar o órgão para ganhar um aumento no pênis que dura seis meses.

Os pesquisadores disseram que sua revisão tem o propósito de “prover clínicos com um sumário dos muitos projetos de pesquisa que tem sido feitos na área de tamanho peniano e síndrome do pênis pequeno”, para que eles possam tratar melhor o problema. Quando encontram um paciente com síndrome pênis pequeno “a abordagem inicial deveria ocorrer através de avaliações urológicas, psicossexuais, psicológicas e psiquiátricas, possivelmente com mais de um clínico envolvido”, eles escreveram.

terça-feira, 11 de abril de 2017

Hoje Eu Quero Voltar Sozinho:Crítica.


Eu tenho uma característica que eu gosto muito em mim: não sou de criar expectativas. Sou um CARA de sorte, pois geralmente as coisas que não crio expectativas sempre acabo me surpreendendo pra melhor e hoje foi uma delas.

     Sou viciado em filmes e seriados, mas ando sem tempo para atualizar meu lado cinéfilo. Mas hoje consegui dar um jeito e assisti ao filme Hoje Eu Quero Voltar Sozinho. Meu, valeu muito a pena pois que filmaço. Quando começou pensei que seria mais um filme teen com temática gay mas não precisou de muitos minutos para eu mudar de opinião e com certeza esse entrar na minha Top List.

     Se trata da história do adolescente Léo que é cego mas procura ter a vida mais "normal" possível (mesmo com a mãe super protetora) ao lado da sua amiga Giovana. Ambos são meio que os nerds da escola. E a vida dos dois mudam com a chegada do novo aluno Gabriel. As meninas se apaixonam por Gabriel e até Giovana tem uma quedinha por ele. Com o tempo Gabriel vai se tornando grande amigo da dupla e acaba roubando o coração do Léo.

     Mas a grande graça do filme é a sutileza. Diferente dos outros filmes gays onde os homossexuais sofrem, não se aceitam e fazem aquele drama, esse filme tem uma leveza que da gosto assistir. Não é um filme de rótulos tipo "eu sou gay, você é gay, nós somos gays". Em nenhum momento Léo e Gabriel se torturam por serem assim ou escondem das pessoas Eles tem sim inseguranças do primeiro amor (como todo mundo tem independente da sexualidade). Também é um filme que mostra da superação e dificuldades de ser deficiente visual, o lance de gostar do mesmo sexo é abordado em segundo, terceiro, quarto plano...

     Os atores foram muito bem escolhidos, são pessoas normais que a gente poderia encontrar por ai, não aquela coisa glamurosa e fake tipo rede Globo ou Hollywood. O ator Guilherme Lobo interpretou com uma perfeição tão grande um personagem cego que pensei que ele realmente tivesse essa deficiência.

     Além de excelentes atores eu acrescentaria o termo gostosos. São dois garotos com corpos deliciosos, principalmente o Léo. A cena em que os dois estão tomando banho e mostra a bunda do Léo é de estremecer as pernas, bunda peluda e deliciosa.

     Mas deixando a sacanagem de lado, super recomendo para quem não viu essa obra de arte ir assistir. Você verá perfeitas atuações, fatos que fazem a gente refletir e o mais bacana de tudo: não fazer drama em coisas que simplesmente são. Ser gay não é bom nem ruim, ser gay simplesmente é. Igual ser hetero, bi ou qualquer outro rótulo. Mas mais do que isso, o filme fala sobre amor, na minha opinião um amor utópico, mas às vezes é bom se deliciar nesses momentos de devaneio. O filme foi indicado ao Oscar. Nunca assisti ao Oscar mas no próximo estarei ligado e torcendo por ela obra de arte.



1 - AMIZADE
ter um amigo é fundamental, alguém que goste de você como você é, com suas qualidades e principalmente com seus defeitos. Um amigo a gente não precisa omitir alguns detalhes da nossa vida para parecermos ser mais legal, um amigo nos conhece 100%. E isso podemos ver na amizade do Léo com a Giovana, linda a cena do Léo deitado e ela afagando os cabelos dele. Faz quatro meses que perdi meu melhor amigo, às vezes lembro dele e me pego com os olhos marejados. Sinto uma falta absurda, quando vejo alguma coisa louca eu já ligava pra ele ou ele me ligava para darmos risada ou lamentarmos juntos, hoje já não tenho alguém com essa intimidade pra isso. Enfim, amizade, amigos temos vários, mas Amigo com A maiúsculo que confiamos 100% é pouco, por isso quem tem valorize.


2 - NÃO AOS RÓTULOS
em nenhum momento Léo se sente angustiado por sentir atração pelo amigo, em nenhum momento sua melhor amiga Geovana questiona a homossexualidade de Léo (ela sente ciumes de amiga, mas não se choca por ele estar apaixonado por um menino ao invés de por uma menina). Na conversa que Léo tem com sua mãe sobre ter filhos e ele diz que adotaria pois no mundo tem muita criança mostra sutilmente que Léo não quer ter uma mulher no futuro e sua mãe não se choca com isso. O filme usa com grande maestria a sutileza, mostrando que Léo se apaixonou e ponto final. Se foi por homem ou mulher é indiferente, nada de rótulos.


3 - NÃO SE SENTIR INFERIOR
Por mais que tenha uma mãe super protetora e que seja cercado de cuidados, Léo procura não se fazer de vítima. Vai a acampamento, quer fazer intercâmbio, aceita os convite de Gabriel para fazer coisas que não fazia por falta de oportunidade como ir ao cinema, "ver" o eclpse da lua e andar de bicicleta.

4 - TER ATITUDE
Tem gente que sonha mil coisas mas não faz nada para realizá-los. Léo quer fazer intercâmbio e corre atrás, mesmo sua mãe sendo contra e até a consultora de viagens. Ele corre atrás, procura alternativas e as acha.
5 - BOM SENSO
Mesmo a mãe de Léo sendo neurótica com cuidados excessivo com o filho (na melhor das boas intenções), em contra partida tem o pai dele que é mais sensato e mesmo sabendo das limitações do filho da um jeito de apoiá-lo e encontrar alternativas ao invés de sempre dizer 'não' logo de cara. Bela a cena em que Léo faz barba ao lado do pai que o faz refletir sobre o verdadeiro motivo de querer fazer intercâmbio.

6 - FORMA DIFERENTE DE SE APAIXONAR
Não tenho contato com pessoas cegas, talvez essa forma diferente de se apaixonar seja comum entre eles. Mas achei bárbaro a forma que o personagem do Léo vai se envolvendo com Gabriel. Quem não é cego o que chama atenção no primeiro instante é o sentido da visão, você vê como é a pessoa que você se interessa, o cabelo, o sorriso, o tipo físico. Mesmo que vc não se apaixone esse é o primeiro contato para nós que enxergamos. Pro personagem do filme não. O amor meio que nasceu de dentro pra fora, quando para nós nasce de fora pra dentro (vemos a pessoa, nos interessamos, sentimos atraído, vemos que temos afinidade e assim a coisa rola...). Ah, detalhe para a cena que Léo está sozinho, tira a roupa, coloca o agasalho de Gabrel, cheira a blusa do amigo e subentende-se que se masturba. Para quem enxerga e se masturba faz isso com imagens da pessoa, já Léo que nunca viu o rosto de Gabriel o que faz ele se excitar pelo amigo naquele momento é o cheiro e a lembrança da voz.

galeria de fotos PENIS PEQUENOS


     Não sou Dotado e acho meu pau bonito. Não tenho paciência para dois tipos de pessoas: os caras complexados com o tamanho do pênis e os 
     Não sou Dotado e acho meu pau bonito. Não tenho paciência para dois tipos de pessoas: os caras complexados com o tamanho do pênis e os caras que só saem com os super dotados. Mas sobre isso escreverei no próximo post, agora apresento a Galeria de Fotos dos homens de Pênis Pequeno, que eu gosto tanto quanto os dotados, mas como o mundo gay os caras são fixados em pau grande, é o que mais se acha na internet, reservarei o espaço aos meus companheiros de pinto pequeno.






















































































































































abaixo fotos do ex-BBB Buba





 

 .